Pular para o conteúdo principal

Basta de endeusar a "caridade" de resultados pífios dos "médiuns espíritas"!


Não é bom endeusar os "médiuns espíritas" pela suposta caridade, a qual não existem provas consistentes nem precisas. É até engraçado que os seguidores de Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco exigem "bases científicas" para tudo (leia-se discurso complicado e análises das mais intrincadas), mas aceitam qualquer boato feito em torno da suposta caridade dos "médiuns".

Paciência, é o país em que a suposta corrupção dos políticos do Partido dos Trabalhadores é feita sem provas. Seja contra o ex-presidente Lula, seja a favor de Chico Xavier e Divaldo Franco, aceita-se qualquer fofoca.

Infelizmente, a "caridade" é um escudo para os "médiuns" e vira um pretenso atenuante para seus graves erros. Chico e Divaldo deturparam perversamente o legado espírita original, e isso não se deve porque eles "se empolgaram demais com suas origens católicas". Eles fizeram tudo de propósito e personificam a traição da Doutrina Espírita prevenida pelo próprio pedagogo francês Allan Kardec.

Usa-se a "filantropia" no "espiritismo" brasileiro tanto para abafar denúncias de irregularidades mediúnicas e desvios doutrinários quanto para promover superfaturamento pedindo ao Estado verbas públicas no valor acima do necessário.

O discurso da "caridade espírita" faz com que até os céticos aliviem os questionamentos aos "médiuns espíritas", a ponto de, se possível, aceitar até psicografias fake - ou melhor, "pseudografias" - se a renda das mesmas se destinar ao "pão dos pobres". Falsidade em prol do bem, dá para acreditar?

Mas esse discurso é construído, e quem ajudou muito nessa narrativa que faz até ateus dormirem tranquilos - pelo menos os "ateus Graças a Deus" que sonham ter como ringtones nos seus smartphones canções como "Obrigado, Senhor" de Roberto Carlos e "Faz um Milagre em Mim" de Régis Danese - é a Rede Globo de Televisão.


As pessoas acabam se comportando como idiotas. A imagem de "caridosos" atribuída aos "médiuns espíritas", sobretudo Chico Xavier e Divaldo Franco, não é mais do que aquela concepção espetacularizada de "filantropia" trazida pelos programas de televisão.

A "filantropia" de Chico Xavier é na verdade um simulacro de ativismo social baseado em paradigmas que, primeiro, se popularizaram pela TV Tupi e depois se consagraram pela Globo. É aquela "bondade de novela", dentro da uma concepção paternalista que não fere os interesses abusivos das elites. E, se observarmos bem, essa "caridade" tem mais problemas do que méritos.

Primeiro. O caso recente de Luciano Huck nos ensina como foi construída a "imagem caridosa" de Chico Xavier e Divaldo Franco. A memória curta dos brasileiros se acostuma a qualquer aberração ou farsa, mas Chico e Divaldo também foram beneficiados por um discurso e um arremedo de ativismo social que hoje é personificado pelo empresário e apresentador do Caldeirão do Huck.

Segundo. Há uma série de problemas, seriíssimos, que se devem levar em conta para que as pessoas não fiquem com esse mimimi de falar que "os médiuns deturpam, sim, mas pelo menos trabalham pela caridade", algo que é feito com informações muito vagas, motivado pela emoção cega e apenas divulgado por peças publicitárias ou eventos festivos especiais, que nada mostram de definitivo dessa "caridade". Vejamos estes problemas.

1) OS RESULTADOS SÃO MUITO MAIS PÍFIOS E MEDÍOCRES DO QUE SE PENSA

A "caridade espírita" nunca trouxe resultados expressivos de melhorias sociais. Isso porque o Brasil nunca atingiu padrões elevados de progresso social pelas políticas em geral, e muito menos pela "caridade" dos "espíritas". Pelo contrário, a idolatria aos "médiuns" é em doses estratosféricas e, mesmo assim, a situação do Brasil só piora a cada ano, salvo durante os governos do PT, onde se tentou resolver concretamente os problemas sociais.

Não adianta dizer que os "médiuns" fazem pouco porque recebem poucos recursos. Grande engano. Afinal, eles são tão paparicados pela alta sociedade, recebem prêmios e tantos benefícios, seus livros vendem como água, são verdadeiras celebridades midiáticas, que os ricos e poderosos adorariam patrocinar com generosas verbas. Afinal, para as elites, mais vale a caridade religiosa do que enfrentar rebeliões e passeatas populares. Paternalismo controla mais as massas populares.

Só que isso, aparentemente, não ocorre ou não provoca efeito. Há muita contradição e vários pontos duvidosos dessa "caridade" de "médiuns" tão queridos e tão premiados, santificados por coisa nenhuma. Os resultados sociais são sempre baixos, e comemora-se demais por quase nada, servindo a "caridade" apenas como desculpa para se aceitar os abusos dos "médiuns espíritas".

2) A AJUDA NÃO VÊM DOS "MÉDIUNS" NEM DAS INSTITUIÇÕES "ESPÍRITAS", MAS DE TERCEIROS

O dado alarmante que poucos percebem é que, com observação mais apurada, se verá que os "médiuns espíritas" NÃO praticam a "caridade" que se atribui a eles. Os "médiuns" são apenas distribuidores da "caridade" dos outros, o que não é mérito algum. Não há como santificar alguém que se promove com a filantropia dos outros.

Nas instituições "espíritas", o que se vê é que a "caridade", tão festejada e oficialmente associada aos "médiuns", é feita pelos frequentadores. São eles que arrumam donativos, compram cestas básicas, usam seu próprio dinheiro para essas aquisições ou para depositar dinheiro nas instituições. Em muitos casos, nem têm tanto dinheiro assim, mas sacrificam seu orçamento para tais aquisições ou doações.

Aliás, é até uma coisa feia as pessoas ficarem exaltando a "caridade" dos "médiuns" porque, em verdade, eles não fazem coisa alguma. O que eles fazem é comercializar palavrinhas dóceis em palestras e livros, e se promovem com a caridade dos outros. São os outros que fazem, feito formigas trabalhadoras, toda a aparente caridade dos "médiuns", enquanto estes se pavoneiam para o Brasil e o mundo promovendo idolatria barata e fanatismo religioso não assumido.

3) A "CARIDADE" SERVE MAIS PARA A PROMOÇÃO PESSOAL DOS "MÉDIUNS"

O que as instituições "espíritas" fazem não é a Assistência Social que tanto alardeiam. A Assistência Social é aquela caridade que transforma, que "cura a doença" da pobreza. O que os "espíritas" fazem é Assistencialismo, caridade de resultados superficiais, fracos ou pontuais, que apenas "alivia a dor" da pobreza, sem "curá-la".

Usemos um exemplo. A Assistência Social adquire uma casa própria, um apartamento para cada morador ou família de moradores de rua. O Assistencialismo arruma cobertores ou recolhe os moradores de rua para um alojamento coletivo.

Muita gente vai fazer ginástica mental e usar de toda a acrobacia de argumentos e falácias para dizer que a "caridade espírita" é "transformadora". Mas a gente não vê resultados. Os anúncios de beneficiados são vagos e, quando se entrevistam aqueles que receberam benefícios, se vê que são muito poucas pessoas.

É realmente como na suposta corrupção de Lula. Não há provas. A "caridade espírita", no sentido inverso do juízo de valor da sociedade, também não. Em ambos os casos, tudo é aceito pelo "achismo", pelo disse-me-disse, e aí entra um aspecto estranho: a defesa dessa "caridade" é medida pelo prestígio religioso dos "médiuns espíritas".

E aí é que está a chave do problema. A "caridade espírita" serve mais para a promoção pessoal dos "médiuns", que até vivem o culto à personalidade nessas instituições, embora ninguém assuma essa prática infeliz.

As pessoas brigam nas redes sociais por causa de uma "caridade" cujo foco não é a ajuda aos necessitados. Estes são só um detalhe. O que está em jogo é o prestígio do "médium" e os defensores de Chico Xavier e Divaldo Franco deixam claro isso. Para eles, pouco importa se os necessitados foram beneficiados ou não, o que importa é que o valor da "caridade" se mede pelo prestígio dos "médiuns espíritas". Triste.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros têm dificuldade para se despedir de Doca Street

Nosso país é ultraconservador e dotado de estranhos "heróis", que incluem ídolos religiosos, políticos do tempo da ditadura militar, tecnocratas e até machistas de perfil bem moralista, os quais temos medo de perder, como se fossem nossos tios queridos.

Todos morrem, mas os feminicidas são os únicos que "não podem morrer". Eles que mais descuidam da saúde, sofrem pressões morais violentas por todos os lados, fragilizam suas almas alternando raivas explosivas e depressões abatedoras, e nós temos que acreditar que eles são feito ciborgues aos quais nem uma doença incurável consegue abatê-los.

Há 40 anos exatos, um caso de machismo violento aconteceu em Armação de Búzios. O empresário Raul Fernando do Amaral Street, o Doca Street, então com 42 anos, assassinou, com dois tiros, a socialite Ângela Diniz, a "pantera de Minas Gerais", que chegou a fazer uma sessão de moda para a revista A Cigarra, nos anos 60.

O motivo alegado era o da "legítima defesa de …

Elites do atraso, aplausos a Jair Bolsonaro e higienismo social

O que tem em comum o fascismo de Jair Bolsonaro, a ênfase da solteirice feminina no "popular demais", a pistolagem no campo, as balas "perdidas" no Rio de Janeiro e o pavor surreal de uma parcela da sociedade brasileira em ver feminicidas morrerem, ainda mais precocemente?

Simples. Está em andamento, sutilmente, uma espécie de "engenharia social higienista", um processo que nunca é assumido na teoria, mas que se nota em reações insólitas nas redes sociais ou em diversos absurdos que acontecem tanto na mídia do entretenimento quanto na imprensa e na política dominantes.

A ideia da sociedade conservadora é criar um eclético mecanismo de redução da população mestiça e negra, que compõe a maioria esmagadora da população pobre, ou o processo de evitar a reprodutividade de muitas mulheres.

Daí o estranho apego a feminicidas que, por seus impulsos emocionais próprios e seus vícios, contraem doenças ou riscos de acidentes trágicos e, por isso, são muito mais vul…

O gravíssimo apoio de Divaldo Franco a uma iniciativa desumana

O "espiritismo" brasileiro pode estar envolvido em mais um episódio extremamente vergonhoso, deplorável e simplesmente constrangedor. É o apoio, através do "médium" Divaldo Franco, de um engodo alimentar lançado pelo prefeito de São Paulo, João Dória Jr., um político que demonstra estar em um sério processo de decadência.

Pode parecer chocante, porque aparentemente apenas católicos, como o arcebispo de São Paulo, cardeal dom Odilo Scherer, e setores das igrejas evangélicas são reconhecidos pela opinião pública dominante como apoiadores da "farinata" ou "granulado nutricional", também conhecido como "Allimento", produto da Plataforma Sinergia feito a partir de processamento industrial de restos de comida de procedências duvidosas e qualidade nutricional mais duvidosa ainda.

A Plataforma Sinergia é uma entidade "sem fins lucrativos" comandada por uma ex-empresária da Monsanto (fabricante de agrotóxicos e alimentos transgênicos…

"Superioridade espiritual" de Chico Xavier e Divaldo Franco é uma farsa

Muito se fala da suposta superioridade espiritual de Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, que seus seguidores definem como "espíritos puros" e dotados da mais extrema elevação moral dentro do "movimento espírita" brasileiro.

São muitos relatos, argumentos, evocações, tudo o mais para tentar afirmar que os dois são as pessoas que mais chegaram ao máximo da evolução espiritual, talvez até mais do que Jesus Cristo, segundo alguns, até pelo fato de terem chegado à velhice (Chico Xavier faleceu há 13 anos).

Só que essa visão nada tem a ver com a realidade. Sabendo que o "movimento espírita" brasileiro se desenvolveu às custas de mitificações, mistificações e fraudes diversas, é também notório que Chico Xavier e Divaldo Franco também participaram, com gosto, em muitas falcatruas cometidas pelo "espiritismo" brasileiro.

Eles erraram, e erraram muitíssimo. Usaram o prestígio que acumularam ao longo dos anos para legitimar e popularizar mi…

"Espiritismo" virou reaça?

MEMBROS DO MOVIMENTO BRASIL LIVRE - "Crianças-índigo" ou "coxinhas"?

Deu tanto no "Correio Espírita" quanto no novo livro de Robson Pinheiro, o "médium" escritor do momento. Citando os movimentos de 13 de março de 2016, auge das manifestações "Fora Dilma", o "movimento espírita" classifica esses movimentos como "libertação" e suposto indício de que a Terra começou seu "processo de regeneração".

Vejam que ridículo, Vamos para o livro de Robson Pinheiro. Intitulado O Partido (palavra que tem as letras P e T, o que faz trocadilho com o PT), e tendo como subtítulo Projeto Criminoso de Poder, o livro é uma risível ficção travestida de "psicografia" atribuído a um suposto espírito de nome Ângelo Inácio.

Nele há um maniqueísmo simplório e um enredo digno de estorinha de super-herói ruim. Algo como um rascunho de um enredo de Dragon Ball-Z não aproveitado antes e jogado no lixo. Um crítico da deturpação …

Dr. Bezerra de Menezes foi um político do PMDB do seu tempo

O "espiritismo" vive de fantasia, de mitificação e mistificação. E isso faz com que seus personagens sejam vistos mais como mitos do que como humanos. Criam-se até contos de fadas, relatos surreais, narrativas fabulosas e tudo. Realidade, que é bom, nada tem.

É isso que faz com que figuras como o médico, militar e político Adolfo Bezerra de Menezes seja visto como um mito, como um personagem de contos de fadas. A biografia que o dr. Bezerra tem oficialmente é parcial e cheia de fantasia, da qual é difícil traçar um perfil mais realista e objetivo sobre sua pessoa.

Não há informações realistas e suas atividades são romantizadas. Quase tudo em Bezerra de Menezes é fantasia, conto de fadas. Ele não era humano, mas um anjinho que se fez homem e se transformou no Papai Noel que dava presentinhos para os pobres. Um Papai Noel para o ano inteiro, não somente para o Natal.

Difícil encontrar na Internet um perfil de Adolfo Bezerra de Menezes que fosse dotado de realismo, mostrando t…

Divaldo Franco deixou a máscara cair com comentários reacionários

A "casa espírita" está caindo. A ação dos "místicos" e adeptos de Jean-Baptiste Roustaing, que vestiram, durante quatro décadas, a capa do "kardecismo autêntico" que se tornou a "fase dúbia" do "movimento espírita", aquela que bajulava o legado espírita original mas praticava o igrejismo mais medieval, mostrou a que veio com posturas reacionárias ditas pelo "médium" baiano Divaldo Pereira Franco.

No "congresso espírita" de Goiás, no último dia 13 de fevereiro, durante uma entrevista coletiva com Haroldo Dutra Dias e a plateia, Divaldo Franco deixou de lado aquele tom melífluo de suas palestras e mostrou o charlatão que era, revelando seu lado ranzinza que estava oculto nas suas poses forçadamente sorridentes e mansas.

Divaldo, que estava perto de ser a unanimidade absoluta pela ilusão e pela fábrica de consenso que se plantou ao redor de sua pessoa, passou a fazer comentários grosseiros, admitindo, em certo momento…

Sim, o "movimento espírita" está sintonizado com os tempos reacionários de hoje

Nos últimos tempos, o "espiritismo" brasileiro, aquele popularizado por Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, mostrou sua verdadeira face. Conservador, reacionário, defensor do sofrimento alheio, praticante de caridade de baixos resultados e difusor de um igrejismo medieval.

As forças progressistas brasileiras se iludiram demais com a embalagem "moderna", "modesta" e "generosa" do "movimento espírita" e viram em Chico Xavier e Divaldo Franco a "personificação" da generosidade, sem saber que isso nunca passou de um duvidoso e discutível mito plantado pelos meios de comunicação.

O Brasil nunca saiu para valer de sua condição de país miserável e desigual e, quando houve políticos que tentaram fazer alguma coisa, de Getúlio Vargas a Dilma Rousseff, passando por João Goulart e Lula, as elites reagiram com fúria, banindo os governantes do poder ou, no caso de Lula, fazendo campanha difamatória durante seus governos e …

"Espiritismo" tenta se promover com polêmica

O "movimento espírita" às vezes se comporta como no show business. Se alimenta de escândalos e polêmicas trazidas por supostas ideias que não correspondem às suas intenções originais, mas que lhes favorecem de alguma forma, dando-lhe publicidade e visibilidade.

É como se vê nos astros pop. Eles cometem deslizes de comportamento que não correspondem às intenções originais de seus empresários e da mídia em geral. Ou então se envolvem a fatos ou ideias que nada têm a ver com o que eles originalmente propuseram. Mesmo assim, os envolvidos acham tudo isso ótimo porque garantem sucesso e fama permanentes.

É o que se nota no caso do "novo Emmanuel". O "escolhido", o jovem Guilherme Romano, é paulista da capital (a gente diz da cidade de São Paulo porque, apesar de redundante, facilita as buscas do Google) e é considerado a reencarnação do famoso jesuíta, apesar de negar firmemente essa ocasião.


Vamos contar duas histórias, uma correspondente ao que deu origem a…

Atriz de 'As Patricinhas de Beverly Hills' passa Chico Xavier para trás

BRITTANY MURPHY NOS PRIMÓRDIOS E NO FINAL DA CARREIRA.

Recentemente, foram celebrados os 20 anos da comédia juvenil As Patricinhas de Beverly Hills, que a cineasta Amy Heckerling dirigiu e adaptou, para os anos 90, o enredo da obra literária Emma (1815), de Jane Austen (1775-1817).

Uma das "patricinhas", a personagem nerd Tai Frasier, foi interpretada pela saudosa Brittany Murphy (1977-2009), brilhante atriz, produtora e cantora que só faleceu aos 32 anos por alguma causa misteriosa, mas sempre relacionada ao infeliz casamento com o produtor inglês Simon Monjack (1970-2010), que provavelmente teria sido mulherengo, caloteiro e viciado em drogas.

Pois é muito curioso que Brittany Murphy é mais admirável que Chico Xavier, apesar das relações entre mito e realidade colocassem a alegre, simpática, sensível e talentosa Britt numa situação bastante desfavorável.

Brittany teve um pai, Ângelo Joseph Bertolotti, o A. J., que abandonou a mulher - Sharon Murphy, mãe da atriz - , chegou…