Pular para o conteúdo principal

Está difícil se desapegar dos ônibus padronizados, não é mesmo?


Está difícil de se apegar de certas coisas. No Brasil, existe uma coisa maluca, que são as pessoas se desapegando de coisas e pessoas essenciais, como se estivessem cometendo um ato de coragem e força de espírito, mas são as mesmas pessoas que se apavoram e arrancam os cabelos que muitas delas já nem tem mais, quando têm que se desapegar de coisas e pessoas supérfluas ou sem serventia.

Perdemos um sem-número de personalidades das mais importantes e fundamentais para o progresso científico, artístico-cultural, intelectual e moral do nosso país. As pessoas se resignam de maneira surpreendente, mesmo quando se sabe que várias dessas personalidades morreram muito cedo.

Mas quando se fala que certos feminicidas ricos estão perto da morte, uns na casa dos 80 mas doentes há pelo menos uns 30 anos, uns com menos de 50 anos, essas mesmas pessoas se descabelam e se sentem ofendidas.

Podem eles terem fumado feito loucos e consumido cocaína em quantidades industriais no passado, brincarem de Mil Milhas de Indianápolis na Rodovia Régis Bittencourt ou viajarem de jatinho sofrendo pane em pleno ar, a sociedade se sente ofendida só por um aviso amigo de que esses assassinos também um dia se encontrarão com a morte. Preferem que eles vivam como múmias aos 95, 100 anos de idade a pretexto de "ressocializarem" e "recuperarem sua honra".

É um apego doentio. E, no Brasil, há o apego doentio ao que não serve mais ou ao que não se tem necessidade, para compensar o "corajoso" desapego ao que é mais essencial. Muitas pessoas preferem ver assassinos ricos "mofando" até os 93 anos na impunidade, não se sabe por quê, tentando em vão promover uma "boa imagem" de seus nomes e atributos materiais, já falidos e destruídos pelo crime que cometeram.


No simples processo de ir e vir nas cidades, há o sacrilégio vivido por muitos cidadãos de ter que diferenciar um ônibus do outro, porque diferentes empresas operadoras têm uma mesma pintura. A chamada pintura padronizada nos ônibus cujos fanáticos adeptos, os intolerantes "padronizetes", chegam a fazer cyberbullying para forçar o apoio aos tais "ônibus iguaizinhos".

Claro, a lógica é a mesma da ditadura militar, daquela visão moralista que supõe que, botando uma só farda nas empresas de ônibus, o transporte público melhoraria. É a mesma visão militaresca de muitos internatos, a "disciplina pela farda", e não é surpresa que os adeptos são busólogos fascistas que se assumiram futuros eleitores de Jair Bolsonaro (não seria Jair Bus-sonaro?).

Há um apego doentio pelos ônibus padronizados que as autoridades de várias capitais do país já estão trocando a "embalagem padronizada" por outra. Em muitos casos, é um fanatismo que beira à beatitude religiosa nos aspectos mais doentios. Daí que os fanáticos pela pintura padronizada (ou PP, como se diz por aí) são também conhecidos como "beatos de carimbo de prefeitura". A padronização continua, mas o design está sendo trocado como quem troca de roupa.

Pequenas regras também estão sendo alteradas, enquanto o jogo permanece o mesmo. Se um sistema adota a cor vermelha para articulados, esses passam a ter a cor azul. Se a regra de concessão inclui contrato de cinco anos, ele passa a ser por três. Se a licitação exige prazo de orçamento de dois meses, passa a ser para seis. Se existe consórcio Interbairros, ele se divide em Interbairros Sul e Interbairros Norte, ou então ele é extinto e absorvido ao consórcio Troncal etc etc etc.

É como se trocasse o seis por meia-dúzia e ainda estabelecer mudanças na caligrafia: se o seis tem que ter uma curvinha na ponta, ou se ele é serifado, ou se ele tem que se grafado em itálico ou negrito, e por aí vai. São pequenas mudanças para manter tudo como está e maquiar a mesmice sob o aparato da falsa novidade.

A prática cotidiana mostra que pintura padronizada nos ônibus, ou seja, colocar diferentes empresas de ônibus para exibir a mesma pintura, não traz vantagem alguma para a população. Nenhuma mesmo. Não garante transparência, confunde os cidadãos que já precisam estar atentos para seus compromissos, muita gente tem dezenas de contas a pagar por mês e ainda tem que diferir a empresa A da empresa B para não embarcar no ônibus errado e perder tempo à toa.

O problema é que a obsessão das autoridades e da meia-dúzia de busólogos fascistinhas - fascistas de chupeta, que criam blogs caluniosos contra quem discorda deles, mas que só são vistos pelos delegados de polícia (que já tem os IPs desses fascistas na mão e já sabem até onde estes moram) - pelos ônibus padronizados só serve para alimentar vaidades pessoais, que não podem estar acima do interesse público.

O transporte público se rebaixa a um triste espetáculo do colarinho branco, transformando exposições de ônibus em meros acontecimentos políticos, talvez com efeitos de campanhas eleitorais, nos quais os ônibus padronizados ostentam os logotipos de prefeituras ou governos estaduais, enquanto deixam o nome da empresa pequenininho, ou, na melhor das hipóteses, a um modesto logotipo que se perde quando o ônibus é visto de longe.

Há muita falácia, feita no mais puro sotaque juridiquês, do qual o político ou tecnocrata defensor dos ônibus padronizados cria uma força-tarefa de desculpas esfarrapadas para justificar a prevalência da medida e a indisposição das autoridades em liberar a cada empresa de ônibus o direito (e o dever, porque favorece a transparência) de exibir a sua própria identidade visual.

Esses "técnicos" e "autoridades" criam tantas desculpas no mais complicado juridiquês, só para defender a pintura padronizada nos ônibus como "medida necessária para a mobilidade urbana" (?!), amontoando explicações tão escalafobéticas que nem eles mesmos entendem o que eles realmente querem dizer.

Chegam mesmo a mentir, dizendo que a pintura padronizada "facilita a identificação" e "organiza o transporte público", e chegam também a se aproveitar da ignorância da população para forçar a aceitação dos "ônibus iguaizinhos" em troca de renovação de frota com veículos refrigerados de chassis de marcas suecas.

Aliás, isso é uma grave infração legal, prevista no artigo 39, inciso IV, do Código de Defesa do Consumidor. Imagine forçar a aceitação da pintura padronizada nos ônibus, em troca da aquisição de ônibus refrigerados com chassis mais potente e alguma configuração mais especial.

O Rio de Janeiro mostrou a decadência dos ônibus padronizados. Criou um modismo que exportou não só a pintura padronizada mas o sucateamento do transporte coletivo em cidades como Florianópolis e Recife, além de "requentar" sistemas há mais tempo decadentes como São Paulo, Brasília, Fortaleza, São Luís, Manaus, Belém, Porto Alegre e Belo Horizonte, nos quais se trocou ou se alterou levemente as "embalagens" da pintura padronizada.

O sistema de ônibus municipais cariocas, no qual até os ônibus executivos têm invariavelmente uma pintura que confunde a todos - o risco de alguém pegar um ônibus para um lugar e ir a outro é altíssimo, e ainda mais sob a ameaça de esbarrar no cano do fuzil de um traficante - , mostrou a tragédia dos "ônibus iguaizinhos", que aumentam a corrupção, degradam o serviço (sem identidade própria para mostrar, as empresas se desleixam e passam a servir mal, até porque o vínculo de imagem é da Prefeitura) e confundem os passageiros.

Apesar disso, não há previsão de quando esse pesadelo dos "ônibus iguaizinhos" vai terminar. Pelo contrário, algumas cidades já mudaram a embalagem, o que significa um lamentável prolongamento desse pesadelo. Enquanto isso, as pessoas que precisam ir para os estudos, o trabalho ou aos bancos pagar suas contas, não bastassem a atenção sobrecarregada em suas atividades pessoais, terão por um bom tempo que redobrar as atenções para não embarcar no ônibus errado. Lamentável.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros têm dificuldade para se despedir de Doca Street

Nosso país é ultraconservador e dotado de estranhos "heróis", que incluem ídolos religiosos, políticos do tempo da ditadura militar, tecnocratas e até machistas de perfil bem moralista, os quais temos medo de perder, como se fossem nossos tios queridos.

Todos morrem, mas os feminicidas são os únicos que "não podem morrer". Eles que mais descuidam da saúde, sofrem pressões morais violentas por todos os lados, fragilizam suas almas alternando raivas explosivas e depressões abatedoras, e nós temos que acreditar que eles são feito ciborgues aos quais nem uma doença incurável consegue abatê-los.

Há 40 anos exatos, um caso de machismo violento aconteceu em Armação de Búzios. O empresário Raul Fernando do Amaral Street, o Doca Street, então com 42 anos, assassinou, com dois tiros, a socialite Ângela Diniz, a "pantera de Minas Gerais", que chegou a fazer uma sessão de moda para a revista A Cigarra, nos anos 60.

O motivo alegado era o da "legítima defesa de …

Elites do atraso, aplausos a Jair Bolsonaro e higienismo social

O que tem em comum o fascismo de Jair Bolsonaro, a ênfase da solteirice feminina no "popular demais", a pistolagem no campo, as balas "perdidas" no Rio de Janeiro e o pavor surreal de uma parcela da sociedade brasileira em ver feminicidas morrerem, ainda mais precocemente?

Simples. Está em andamento, sutilmente, uma espécie de "engenharia social higienista", um processo que nunca é assumido na teoria, mas que se nota em reações insólitas nas redes sociais ou em diversos absurdos que acontecem tanto na mídia do entretenimento quanto na imprensa e na política dominantes.

A ideia da sociedade conservadora é criar um eclético mecanismo de redução da população mestiça e negra, que compõe a maioria esmagadora da população pobre, ou o processo de evitar a reprodutividade de muitas mulheres.

Daí o estranho apego a feminicidas que, por seus impulsos emocionais próprios e seus vícios, contraem doenças ou riscos de acidentes trágicos e, por isso, são muito mais vul…

O gravíssimo apoio de Divaldo Franco a uma iniciativa desumana

O "espiritismo" brasileiro pode estar envolvido em mais um episódio extremamente vergonhoso, deplorável e simplesmente constrangedor. É o apoio, através do "médium" Divaldo Franco, de um engodo alimentar lançado pelo prefeito de São Paulo, João Dória Jr., um político que demonstra estar em um sério processo de decadência.

Pode parecer chocante, porque aparentemente apenas católicos, como o arcebispo de São Paulo, cardeal dom Odilo Scherer, e setores das igrejas evangélicas são reconhecidos pela opinião pública dominante como apoiadores da "farinata" ou "granulado nutricional", também conhecido como "Allimento", produto da Plataforma Sinergia feito a partir de processamento industrial de restos de comida de procedências duvidosas e qualidade nutricional mais duvidosa ainda.

A Plataforma Sinergia é uma entidade "sem fins lucrativos" comandada por uma ex-empresária da Monsanto (fabricante de agrotóxicos e alimentos transgênicos…

"Superioridade espiritual" de Chico Xavier e Divaldo Franco é uma farsa

Muito se fala da suposta superioridade espiritual de Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, que seus seguidores definem como "espíritos puros" e dotados da mais extrema elevação moral dentro do "movimento espírita" brasileiro.

São muitos relatos, argumentos, evocações, tudo o mais para tentar afirmar que os dois são as pessoas que mais chegaram ao máximo da evolução espiritual, talvez até mais do que Jesus Cristo, segundo alguns, até pelo fato de terem chegado à velhice (Chico Xavier faleceu há 13 anos).

Só que essa visão nada tem a ver com a realidade. Sabendo que o "movimento espírita" brasileiro se desenvolveu às custas de mitificações, mistificações e fraudes diversas, é também notório que Chico Xavier e Divaldo Franco também participaram, com gosto, em muitas falcatruas cometidas pelo "espiritismo" brasileiro.

Eles erraram, e erraram muitíssimo. Usaram o prestígio que acumularam ao longo dos anos para legitimar e popularizar mi…

"Espiritismo" virou reaça?

MEMBROS DO MOVIMENTO BRASIL LIVRE - "Crianças-índigo" ou "coxinhas"?

Deu tanto no "Correio Espírita" quanto no novo livro de Robson Pinheiro, o "médium" escritor do momento. Citando os movimentos de 13 de março de 2016, auge das manifestações "Fora Dilma", o "movimento espírita" classifica esses movimentos como "libertação" e suposto indício de que a Terra começou seu "processo de regeneração".

Vejam que ridículo, Vamos para o livro de Robson Pinheiro. Intitulado O Partido (palavra que tem as letras P e T, o que faz trocadilho com o PT), e tendo como subtítulo Projeto Criminoso de Poder, o livro é uma risível ficção travestida de "psicografia" atribuído a um suposto espírito de nome Ângelo Inácio.

Nele há um maniqueísmo simplório e um enredo digno de estorinha de super-herói ruim. Algo como um rascunho de um enredo de Dragon Ball-Z não aproveitado antes e jogado no lixo. Um crítico da deturpação …

Dr. Bezerra de Menezes foi um político do PMDB do seu tempo

O "espiritismo" vive de fantasia, de mitificação e mistificação. E isso faz com que seus personagens sejam vistos mais como mitos do que como humanos. Criam-se até contos de fadas, relatos surreais, narrativas fabulosas e tudo. Realidade, que é bom, nada tem.

É isso que faz com que figuras como o médico, militar e político Adolfo Bezerra de Menezes seja visto como um mito, como um personagem de contos de fadas. A biografia que o dr. Bezerra tem oficialmente é parcial e cheia de fantasia, da qual é difícil traçar um perfil mais realista e objetivo sobre sua pessoa.

Não há informações realistas e suas atividades são romantizadas. Quase tudo em Bezerra de Menezes é fantasia, conto de fadas. Ele não era humano, mas um anjinho que se fez homem e se transformou no Papai Noel que dava presentinhos para os pobres. Um Papai Noel para o ano inteiro, não somente para o Natal.

Difícil encontrar na Internet um perfil de Adolfo Bezerra de Menezes que fosse dotado de realismo, mostrando t…

Divaldo Franco deixou a máscara cair com comentários reacionários

A "casa espírita" está caindo. A ação dos "místicos" e adeptos de Jean-Baptiste Roustaing, que vestiram, durante quatro décadas, a capa do "kardecismo autêntico" que se tornou a "fase dúbia" do "movimento espírita", aquela que bajulava o legado espírita original mas praticava o igrejismo mais medieval, mostrou a que veio com posturas reacionárias ditas pelo "médium" baiano Divaldo Pereira Franco.

No "congresso espírita" de Goiás, no último dia 13 de fevereiro, durante uma entrevista coletiva com Haroldo Dutra Dias e a plateia, Divaldo Franco deixou de lado aquele tom melífluo de suas palestras e mostrou o charlatão que era, revelando seu lado ranzinza que estava oculto nas suas poses forçadamente sorridentes e mansas.

Divaldo, que estava perto de ser a unanimidade absoluta pela ilusão e pela fábrica de consenso que se plantou ao redor de sua pessoa, passou a fazer comentários grosseiros, admitindo, em certo momento…

Sim, o "movimento espírita" está sintonizado com os tempos reacionários de hoje

Nos últimos tempos, o "espiritismo" brasileiro, aquele popularizado por Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, mostrou sua verdadeira face. Conservador, reacionário, defensor do sofrimento alheio, praticante de caridade de baixos resultados e difusor de um igrejismo medieval.

As forças progressistas brasileiras se iludiram demais com a embalagem "moderna", "modesta" e "generosa" do "movimento espírita" e viram em Chico Xavier e Divaldo Franco a "personificação" da generosidade, sem saber que isso nunca passou de um duvidoso e discutível mito plantado pelos meios de comunicação.

O Brasil nunca saiu para valer de sua condição de país miserável e desigual e, quando houve políticos que tentaram fazer alguma coisa, de Getúlio Vargas a Dilma Rousseff, passando por João Goulart e Lula, as elites reagiram com fúria, banindo os governantes do poder ou, no caso de Lula, fazendo campanha difamatória durante seus governos e …

"Espiritismo" tenta se promover com polêmica

O "movimento espírita" às vezes se comporta como no show business. Se alimenta de escândalos e polêmicas trazidas por supostas ideias que não correspondem às suas intenções originais, mas que lhes favorecem de alguma forma, dando-lhe publicidade e visibilidade.

É como se vê nos astros pop. Eles cometem deslizes de comportamento que não correspondem às intenções originais de seus empresários e da mídia em geral. Ou então se envolvem a fatos ou ideias que nada têm a ver com o que eles originalmente propuseram. Mesmo assim, os envolvidos acham tudo isso ótimo porque garantem sucesso e fama permanentes.

É o que se nota no caso do "novo Emmanuel". O "escolhido", o jovem Guilherme Romano, é paulista da capital (a gente diz da cidade de São Paulo porque, apesar de redundante, facilita as buscas do Google) e é considerado a reencarnação do famoso jesuíta, apesar de negar firmemente essa ocasião.


Vamos contar duas histórias, uma correspondente ao que deu origem a…

Atriz de 'As Patricinhas de Beverly Hills' passa Chico Xavier para trás

BRITTANY MURPHY NOS PRIMÓRDIOS E NO FINAL DA CARREIRA.

Recentemente, foram celebrados os 20 anos da comédia juvenil As Patricinhas de Beverly Hills, que a cineasta Amy Heckerling dirigiu e adaptou, para os anos 90, o enredo da obra literária Emma (1815), de Jane Austen (1775-1817).

Uma das "patricinhas", a personagem nerd Tai Frasier, foi interpretada pela saudosa Brittany Murphy (1977-2009), brilhante atriz, produtora e cantora que só faleceu aos 32 anos por alguma causa misteriosa, mas sempre relacionada ao infeliz casamento com o produtor inglês Simon Monjack (1970-2010), que provavelmente teria sido mulherengo, caloteiro e viciado em drogas.

Pois é muito curioso que Brittany Murphy é mais admirável que Chico Xavier, apesar das relações entre mito e realidade colocassem a alegre, simpática, sensível e talentosa Britt numa situação bastante desfavorável.

Brittany teve um pai, Ângelo Joseph Bertolotti, o A. J., que abandonou a mulher - Sharon Murphy, mãe da atriz - , chegou…