Pular para o conteúdo principal

Está difícil se desapegar dos ônibus padronizados, não é mesmo?


Está difícil de se apegar de certas coisas. No Brasil, existe uma coisa maluca, que são as pessoas se desapegando de coisas e pessoas essenciais, como se estivessem cometendo um ato de coragem e força de espírito, mas são as mesmas pessoas que se apavoram e arrancam os cabelos que muitas delas já nem tem mais, quando têm que se desapegar de coisas e pessoas supérfluas ou sem serventia.

Perdemos um sem-número de personalidades das mais importantes e fundamentais para o progresso científico, artístico-cultural, intelectual e moral do nosso país. As pessoas se resignam de maneira surpreendente, mesmo quando se sabe que várias dessas personalidades morreram muito cedo.

Mas quando se fala que certos feminicidas ricos estão perto da morte, uns na casa dos 80 mas doentes há pelo menos uns 30 anos, uns com menos de 50 anos, essas mesmas pessoas se descabelam e se sentem ofendidas.

Podem eles terem fumado feito loucos e consumido cocaína em quantidades industriais no passado, brincarem de Mil Milhas de Indianápolis na Rodovia Régis Bittencourt ou viajarem de jatinho sofrendo pane em pleno ar, a sociedade se sente ofendida só por um aviso amigo de que esses assassinos também um dia se encontrarão com a morte. Preferem que eles vivam como múmias aos 95, 100 anos de idade a pretexto de "ressocializarem" e "recuperarem sua honra".

É um apego doentio. E, no Brasil, há o apego doentio ao que não serve mais ou ao que não se tem necessidade, para compensar o "corajoso" desapego ao que é mais essencial. Muitas pessoas preferem ver assassinos ricos "mofando" até os 93 anos na impunidade, não se sabe por quê, tentando em vão promover uma "boa imagem" de seus nomes e atributos materiais, já falidos e destruídos pelo crime que cometeram.


No simples processo de ir e vir nas cidades, há o sacrilégio vivido por muitos cidadãos de ter que diferenciar um ônibus do outro, porque diferentes empresas operadoras têm uma mesma pintura. A chamada pintura padronizada nos ônibus cujos fanáticos adeptos, os intolerantes "padronizetes", chegam a fazer cyberbullying para forçar o apoio aos tais "ônibus iguaizinhos".

Claro, a lógica é a mesma da ditadura militar, daquela visão moralista que supõe que, botando uma só farda nas empresas de ônibus, o transporte público melhoraria. É a mesma visão militaresca de muitos internatos, a "disciplina pela farda", e não é surpresa que os adeptos são busólogos fascistas que se assumiram futuros eleitores de Jair Bolsonaro (não seria Jair Bus-sonaro?).

Há um apego doentio pelos ônibus padronizados que as autoridades de várias capitais do país já estão trocando a "embalagem padronizada" por outra. Em muitos casos, é um fanatismo que beira à beatitude religiosa nos aspectos mais doentios. Daí que os fanáticos pela pintura padronizada (ou PP, como se diz por aí) são também conhecidos como "beatos de carimbo de prefeitura". A padronização continua, mas o design está sendo trocado como quem troca de roupa.

Pequenas regras também estão sendo alteradas, enquanto o jogo permanece o mesmo. Se um sistema adota a cor vermelha para articulados, esses passam a ter a cor azul. Se a regra de concessão inclui contrato de cinco anos, ele passa a ser por três. Se a licitação exige prazo de orçamento de dois meses, passa a ser para seis. Se existe consórcio Interbairros, ele se divide em Interbairros Sul e Interbairros Norte, ou então ele é extinto e absorvido ao consórcio Troncal etc etc etc.

É como se trocasse o seis por meia-dúzia e ainda estabelecer mudanças na caligrafia: se o seis tem que ter uma curvinha na ponta, ou se ele é serifado, ou se ele tem que se grafado em itálico ou negrito, e por aí vai. São pequenas mudanças para manter tudo como está e maquiar a mesmice sob o aparato da falsa novidade.

A prática cotidiana mostra que pintura padronizada nos ônibus, ou seja, colocar diferentes empresas de ônibus para exibir a mesma pintura, não traz vantagem alguma para a população. Nenhuma mesmo. Não garante transparência, confunde os cidadãos que já precisam estar atentos para seus compromissos, muita gente tem dezenas de contas a pagar por mês e ainda tem que diferir a empresa A da empresa B para não embarcar no ônibus errado e perder tempo à toa.

O problema é que a obsessão das autoridades e da meia-dúzia de busólogos fascistinhas - fascistas de chupeta, que criam blogs caluniosos contra quem discorda deles, mas que só são vistos pelos delegados de polícia (que já tem os IPs desses fascistas na mão e já sabem até onde estes moram) - pelos ônibus padronizados só serve para alimentar vaidades pessoais, que não podem estar acima do interesse público.

O transporte público se rebaixa a um triste espetáculo do colarinho branco, transformando exposições de ônibus em meros acontecimentos políticos, talvez com efeitos de campanhas eleitorais, nos quais os ônibus padronizados ostentam os logotipos de prefeituras ou governos estaduais, enquanto deixam o nome da empresa pequenininho, ou, na melhor das hipóteses, a um modesto logotipo que se perde quando o ônibus é visto de longe.

Há muita falácia, feita no mais puro sotaque juridiquês, do qual o político ou tecnocrata defensor dos ônibus padronizados cria uma força-tarefa de desculpas esfarrapadas para justificar a prevalência da medida e a indisposição das autoridades em liberar a cada empresa de ônibus o direito (e o dever, porque favorece a transparência) de exibir a sua própria identidade visual.

Esses "técnicos" e "autoridades" criam tantas desculpas no mais complicado juridiquês, só para defender a pintura padronizada nos ônibus como "medida necessária para a mobilidade urbana" (?!), amontoando explicações tão escalafobéticas que nem eles mesmos entendem o que eles realmente querem dizer.

Chegam mesmo a mentir, dizendo que a pintura padronizada "facilita a identificação" e "organiza o transporte público", e chegam também a se aproveitar da ignorância da população para forçar a aceitação dos "ônibus iguaizinhos" em troca de renovação de frota com veículos refrigerados de chassis de marcas suecas.

Aliás, isso é uma grave infração legal, prevista no artigo 39, inciso IV, do Código de Defesa do Consumidor. Imagine forçar a aceitação da pintura padronizada nos ônibus, em troca da aquisição de ônibus refrigerados com chassis mais potente e alguma configuração mais especial.

O Rio de Janeiro mostrou a decadência dos ônibus padronizados. Criou um modismo que exportou não só a pintura padronizada mas o sucateamento do transporte coletivo em cidades como Florianópolis e Recife, além de "requentar" sistemas há mais tempo decadentes como São Paulo, Brasília, Fortaleza, São Luís, Manaus, Belém, Porto Alegre e Belo Horizonte, nos quais se trocou ou se alterou levemente as "embalagens" da pintura padronizada.

O sistema de ônibus municipais cariocas, no qual até os ônibus executivos têm invariavelmente uma pintura que confunde a todos - o risco de alguém pegar um ônibus para um lugar e ir a outro é altíssimo, e ainda mais sob a ameaça de esbarrar no cano do fuzil de um traficante - , mostrou a tragédia dos "ônibus iguaizinhos", que aumentam a corrupção, degradam o serviço (sem identidade própria para mostrar, as empresas se desleixam e passam a servir mal, até porque o vínculo de imagem é da Prefeitura) e confundem os passageiros.

Apesar disso, não há previsão de quando esse pesadelo dos "ônibus iguaizinhos" vai terminar. Pelo contrário, algumas cidades já mudaram a embalagem, o que significa um lamentável prolongamento desse pesadelo. Enquanto isso, as pessoas que precisam ir para os estudos, o trabalho ou aos bancos pagar suas contas, não bastassem a atenção sobrecarregada em suas atividades pessoais, terão por um bom tempo que redobrar as atenções para não embarcar no ônibus errado. Lamentável.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros têm dificuldade para se despedir de Doca Street

Nosso país é ultraconservador e dotado de estranhos "heróis", que incluem ídolos religiosos, políticos do tempo da ditadura militar, tecnocratas e até machistas de perfil bem moralista, os quais temos medo de perder, como se fossem nossos tios queridos.

Todos morrem, mas os feminicidas são os únicos que "não podem morrer". Eles que mais descuidam da saúde, sofrem pressões morais violentas por todos os lados, fragilizam suas almas alternando raivas explosivas e depressões abatedoras, e nós temos que acreditar que eles são feito ciborgues aos quais nem uma doença incurável consegue abatê-los.

Há 40 anos exatos, um caso de machismo violento aconteceu em Armação de Búzios. O empresário Raul Fernando do Amaral Street, o Doca Street, então com 42 anos, assassinou, com dois tiros, a socialite Ângela Diniz, a "pantera de Minas Gerais", que chegou a fazer uma sessão de moda para a revista A Cigarra, nos anos 60.

O motivo alegado era o da "legítima defesa de …

Se Chico Xavier fosse progressista, não haveria a ascensão de Jair Bolsonaro

É um dever questionarmos, até com certa severidade, o mito de Francisco Cândido Xavier. Questionar sem ódio, mas também sem medo, sem relativismos e sem complacências, com o rigor de quem não mede palavras para identificar erros, quando estes são muito graves.

Vale lembrar que esse apelo de questionar rigorosamente Chico Xavier não vem de evangélico alucinado nem de qualquer moleque intolerante da Internet - até porque o dito "espiritismo" brasileiro é uma das religiões não só toleradas no país, mas também blindadas pelas classes dominantes que adoram essa "filantropia de fachada" que traz mais adoração ao "médium" do que resultados sociais concretos - , mas da própria obra espírita original.

É só ler Erasto, que recomendava rigor no repúdio e no combate aos deturpadores dos ensinamentos espíritas. E mais: ele lembrava que eventualmente os maus espíritos (ou, no contexto brasileiro, os maus médiuns) trazem "coisas boas" (as ditas "mensagen…

Acontecimentos à "luz" ou à "treva" do "espiritismo" brasileiro

CHACINA OCORREU NUMA ESCOLA DE SUZANO, A ESCOLA ESTADUAL PROF. RAUL BRASIL.

Três ocorrências dramáticas para tirar o sono dos conservadores enrustidos que agora não têm mais tempo para usar o pensamento desejoso para tentar arrumar uma desculpa que relativize o ultraconservadorismo de Francisco Cândido Xavier, popularmente conhecido como Chico Xavier.

Três incidentes, portanto, lhes ocuparão as mentes: a prisão de dois suspeitos de matar a vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes, há cerca de um ano, a chacina ocorrida hoje numa escola em Suzano, no interior paulista, e a invasão de manifestantes do Movimento dos Sem-Terra em uma das fazendas do "médium" João Teixeira de Faria, o João de Deus.

Vamos primeiro ao caso Marielle. Depois de tanta hesitação, a polícia prendeu dois envolvidos no assassinato da vereadora, os ex-policiais Élsio Vieira de Queiroz, motorista de um dos carros na ocasião, e Ronnie Lessa, PM aposentado por invalidez (ficou ferido num atent…

Chico Xavier, que abençoou João de Deus, fez assédio moral a Humberto de Campos Filho

HUMBERTO DE CAMPOS FILHO SOFREU ASSÉDIO MORAL DE CHICO XAVIER PARA TENTAR ABAFAR NOVOS PROCESSOS JUDICIAIS.

Dizem que nunca Uberaba ficou tão próxima de Abadiânia, embora fossem situadas em Estados diferentes. Na verdade, as duas cidades são relativamente próximas, diferindo apenas na distância que requer cerca de seis horas e meia de viagem. Mas, com o escândalo de João Teixeira de Faria, o João de Deus, até parece que as duas cidades se tornaram vizinhas.

Isso porque o "médium" Francisco Cândido Xavier, popularmente conhecido como Chico Xavier, em que pese a sua reputação oficial de "espírito de luz" e pretenso símbolo de amor e bondade humanas, consentiu, ao abençoar João de Deus, com sua trajetória irregular e seus crimes.

Se realmente fosse o sábio e o intuitivo que tanto dizem ser, Chico Xavier teria se prevenido e iniciado uma desconfiança em torno de João de Deus, até pressentindo seu caráter leviano. Mas Chico nada o fez e permitiu que se abrisse o caminho…

Atriz de 'As Patricinhas de Beverly Hills' passa Chico Xavier para trás

BRITTANY MURPHY NOS PRIMÓRDIOS E NO FINAL DA CARREIRA.

Recentemente, foram celebrados os 20 anos da comédia juvenil As Patricinhas de Beverly Hills, que a cineasta Amy Heckerling dirigiu e adaptou, para os anos 90, o enredo da obra literária Emma (1815), de Jane Austen (1775-1817).

Uma das "patricinhas", a personagem nerd Tai Frasier, foi interpretada pela saudosa Brittany Murphy (1977-2009), brilhante atriz, produtora e cantora que só faleceu aos 32 anos por alguma causa misteriosa, mas sempre relacionada ao infeliz casamento com o produtor inglês Simon Monjack (1970-2010), que provavelmente teria sido mulherengo, caloteiro e viciado em drogas.

Pois é muito curioso que Brittany Murphy é mais admirável que Chico Xavier, apesar das relações entre mito e realidade colocassem a alegre, simpática, sensível e talentosa Britt numa situação bastante desfavorável.

Brittany teve um pai, Ângelo Joseph Bertolotti, o A. J., que abandonou a mulher - Sharon Murphy, mãe da atriz - , chegou…

Padre Quevedo: A farsa de Chico Xavier

Esse instigante livro é leitura obrigatória para quem quer saber das artimanhas de um grande deturpador do Espiritismo francês, e que se promoveu através de farsas "mediúnicas" que demonstram uma série de irregularidades. Publicamos aqui em memória ao parapsicólogo Padre Oscar Quevedo, que morreu hoje, aos 89 anos.

Para quem é amigo da lógica e do bom senso, lerá este texto até o fim, nem que seja preciso imprimi-lo para lê-lo aos poucos. Mas quem está movido por paixões religiosas e ainda sente fascinação obsessiva por Chico Xavier, vai evitar este texto chorando copiosamente ou mordendo os beiços de raiva.

A farsa de Chico Xavier

Por Padre Quevedo

Francisco Cândido Xavier (1910-2002), mais conhecido como “Chico Xavier”, começou a exercer sistematicamente como “médium” espiritista psicógrafo à idade de 17 anos no Centro Espírita de Pedro Leopoldo, sua cidade natal.

# Durante as últimas sete décadas foi sem dúvidas e cada vez mais uma figura muitíssimo famosa. E a mais consider…

"Superioridade espiritual" de Chico Xavier e Divaldo Franco é uma farsa

Muito se fala da suposta superioridade espiritual de Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, que seus seguidores definem como "espíritos puros" e dotados da mais extrema elevação moral dentro do "movimento espírita" brasileiro.

São muitos relatos, argumentos, evocações, tudo o mais para tentar afirmar que os dois são as pessoas que mais chegaram ao máximo da evolução espiritual, talvez até mais do que Jesus Cristo, segundo alguns, até pelo fato de terem chegado à velhice (Chico Xavier faleceu há 13 anos).

Só que essa visão nada tem a ver com a realidade. Sabendo que o "movimento espírita" brasileiro se desenvolveu às custas de mitificações, mistificações e fraudes diversas, é também notório que Chico Xavier e Divaldo Franco também participaram, com gosto, em muitas falcatruas cometidas pelo "espiritismo" brasileiro.

Eles erraram, e erraram muitíssimo. Usaram o prestígio que acumularam ao longo dos anos para legitimar e popularizar mi…

Vamos ter "psicografia" com o "espírito Ricardo Boechat"?

O "espiritismo" brasileiro virou uma grande farra. Afastado das lições originais do Espiritismo francês, a religião brasileira se rebaixou a uma doutrina de adoração aos "médiuns" (mais para sacerdotes do que para videntes propriamente ditos), uma repaginação doutrinária do Catolicismo medieval e um mercado de literatura de louvor aos "médiuns" ou de produção "psicográfica" que se revela fake, com provas consistentes.

Cria-se uma multitude de "mortos da moda", que nunca escreveram uma vírgula que se atribui a eles, dentro das paixões religiosas da Terra, que, no entanto, legitimam tais obras por conta de frivolidades como "desejar a paz em Cristo", mesmo quando há disparidades de estilo e outros aspectos pessoais.

O caso de Humberto de Campos foi o exemplo mais aberrante e gerou processo judicial. Mas a seletividade da Justiça deu impunidade a Francisco Cândido Xavier que, ao ver o caminho liberado - desde que o "médium…

Falsas psicografias de roqueiros: Raul Seixas

Vivo, Raul Seixas era discriminado pelo mercado e pela sociedade moralista. Morto, é glorificado pelos mesmos que o discriminaram. Tantos oportunistas se cercaram diante da imagem do roqueiro morto e fingiram que sempre gostaram dele, usando-o em causa própria.

Em relação ao legado que Raul Seixas deixou, vemos "sertanejos" e axézeiros, além de "pop-roqueiros" de quinta categoria, voltando-se para o cadáver do cantor baiano como urubus voando em cima de carniças. Todo mundo tirando uma casquinha, usurpando, em causa própria, o prestígio e a credibilidade de Raulzito.

No "espiritismo" não seria diferente. Um suposto médium, Nelson Moraes, foi construir uma "psicografia" de Raul Seixas usando o pseudônimo de Zílio, no caso de haver algum problema na Justiça, através de uma imagem estereotipada do roqueiro.

Assim, Nelson Moraes, juntando sua formação religiosista, um "espiritismo" que sabemos é mais católico do que espírita, baseou-se no…

Chico Xavier usava "cartas mediúnicas" para forçar o apoio à ditadura militar

Tenho pena de setores das esquerdas, muitíssimo ingênuos, que dão alguma consideração ao reacionário Francisco Cândido Xavier. Através de ideias soltas e sem nexo, mas forçadamente unidas por uma retórica fantasiosa e agradável, imagina-se que Chico Xavier era um ativista social, um militante socialista e um pensador progressista. Grande engano.

Vendo o programa Pinga Fogo, da TV Tupi, de 1971, que revela muitos aspectos ocultos que a imagem adocicada de Chico Xavier - construída pela Rede Globo, com sutileza dramatúrgica, mas baseado na narrativa idealizadora de Malcolm Muggeridge a respeito de Madre Teresa de Calcutá, outra reaça de carteirinha - , conclui-se que ele sempre foi uma figura ultraconservadora.

Apesar de chocante, se Chico Xavier estivesse vivo, ele sem dúvida apoiaria Jair Bolsonaro. Seria um apoio "crítico", mas seria. Muitas personalidades de muita evidência no grande público sinalizaram esse apoio, como Zezé di Camargo. Chico admitiria, sim, atitudes &quo…