Pular para o conteúdo principal

Atriz de 'As Patricinhas de Beverly Hills' passa Chico Xavier para trás

BRITTANY MURPHY NOS PRIMÓRDIOS E NO FINAL DA CARREIRA.

Recentemente, foram celebrados os 20 anos da comédia juvenil As Patricinhas de Beverly Hills, que a cineasta Amy Heckerling dirigiu e adaptou, para os anos 90, o enredo da obra literária Emma (1815), de Jane Austen (1775-1817).

Uma das "patricinhas", a personagem nerd Tai Frasier, foi interpretada pela saudosa Brittany Murphy (1977-2009), brilhante atriz, produtora e cantora que só faleceu aos 32 anos por alguma causa misteriosa, mas sempre relacionada ao infeliz casamento com o produtor inglês Simon Monjack (1970-2010), que provavelmente teria sido mulherengo, caloteiro e viciado em drogas.

Pois é muito curioso que Brittany Murphy é mais admirável que Chico Xavier, apesar das relações entre mito e realidade colocassem a alegre, simpática, sensível e talentosa Britt numa situação bastante desfavorável.

Brittany teve um pai, Ângelo Joseph Bertolotti, o A. J., que abandonou a mulher - Sharon Murphy, mãe da atriz - , chegou a ser preso por envolvimento com um grupo mafioso e tinha fama de durão. Brittany ainda era bebê quando seus pais se separaram.

Graças à exploração midiática, Brittany ganhou fama de neurótica, medíocre, temperamental, relapsa, e até de drogada. A coitada consumia remédios além da dose necessária - os médicos, submissos ao poderoso lobby da indústria farmacêutica, às vezes receitavam aos pacientes um consumo de remédios além do recomendado - e a imprensa marrom, na cara-de-pau, a chamava de junkie.

Apesar da fama nada generosa, que criou um mal-entendido com os produtores de Happy Feet 2, que vetaram a participação de Brittany no elenco de dublagem, trocando-a pela insossa Pink, Brittany, na verdade, tinha um caráter muito grandioso e quem conviveu com ela sempre guardou boas recordações da atriz, colega e amiga.

Atores como Ashton Kutcher, Dakota Fanning, Donald Faison, Alicia Silverstone e Elijah Wood, além de cineastas como Amy Heckerling e Frank Miller, se sentiram encantados com o convívio profissional da atriz e com a capacidade dela de compreender a natureza de seus personagens.

Ela também era considerada uma cantora de talento inigualável, que era capaz de trabalhar com seu próprio talento vocal num meio em que cantores usam tecnologias como o vocoder e o pro-tools para "melhorar" suas vozes. Foi bastante elogiada pelo DJ inglês Paul Oakenfold, que chegou a trabalhar com ela.

E aí, a "neurótica, medíocre, temperamental, relapsa, drogada e tudo de ruim" Brittany Murphy derruba de vez o mito do supostamente bondoso, iluminado, sábio, lúcido, humilde, sincero, despretensioso e progressista Chico Xavier, com uma frase que o anti-médium mineiro não teria coragem de dizer.

Sem fazer apologia ao sofrimento, Brittany Murphy declarava que os dias difíceis poderiam se tornar maravilhosos se a pessoa puder superar tais dificuldades. Não era uma adoração do ato de sofrer, como se observam nas diabéticas frases de Chico Xavier, mas um recado de esperança que uma atriz "problemática" disse em uma frase o que 400 e tantos livros não conseguiram dizer.

Eis a frase em questão:

"Everybody has difficult years, but a lot of times the difficult years end up being the greatest years of your whole entire life, if you survive them". ("Todos têm seus anos difíceis, mas muitas vezes os anos difíceis acabam se tornando os melhores anos de toda sua vida, se você sobreviver a eles").

É de ficar pasmo como uma frase derruba quatro centenas e alguma dezena de livros. E ver que a atriz que fez a Tai em As Patricinhas de Beverly Hills, a Molly Gunn de Grande Menina, Pequena Mulher, a Daisy de Garota, Interrompida, a Sarah de Recém-Casados e a Shelly de Sin City derrubou Emmanuel, André Luiz e os falsos espíritos de Humberto de Campos e Meimei, entre outros.

E isso mostra o quanto não podemos confiar no que dizem. A "problemática" Brittany Murphy era uma pessoa muito mais iluminada e adorável do que o "todo-iluminado" Chico Xavier que fez pastiches literários, apoiava fraudes de materialização e às vezes era maledicente, mesmo.  

O "todo-sábio" anti-médium mineiro foi passado para trás e Brittany, definitivamente, ganhou o nosso coração.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Elites do atraso, aplausos a Jair Bolsonaro e higienismo social

O que tem em comum o fascismo de Jair Bolsonaro, a ênfase da solteirice feminina no "popular demais", a pistolagem no campo, as balas "perdidas" no Rio de Janeiro e o pavor surreal de uma parcela da sociedade brasileira em ver feminicidas morrerem, ainda mais precocemente?

Simples. Está em andamento, sutilmente, uma espécie de "engenharia social higienista", um processo que nunca é assumido na teoria, mas que se nota em reações insólitas nas redes sociais ou em diversos absurdos que acontecem tanto na mídia do entretenimento quanto na imprensa e na política dominantes.

A ideia da sociedade conservadora é criar um eclético mecanismo de redução da população mestiça e negra, que compõe a maioria esmagadora da população pobre, ou o processo de evitar a reprodutividade de muitas mulheres.

Daí o estranho apego a feminicidas que, por seus impulsos emocionais próprios e seus vícios, contraem doenças ou riscos de acidentes trágicos e, por isso, são muito mais vul…

O gravíssimo apoio de Divaldo Franco a uma iniciativa desumana

O "espiritismo" brasileiro pode estar envolvido em mais um episódio extremamente vergonhoso, deplorável e simplesmente constrangedor. É o apoio, através do "médium" Divaldo Franco, de um engodo alimentar lançado pelo prefeito de São Paulo, João Dória Jr., um político que demonstra estar em um sério processo de decadência.

Pode parecer chocante, porque aparentemente apenas católicos, como o arcebispo de São Paulo, cardeal dom Odilo Scherer, e setores das igrejas evangélicas são reconhecidos pela opinião pública dominante como apoiadores da "farinata" ou "granulado nutricional", também conhecido como "Allimento", produto da Plataforma Sinergia feito a partir de processamento industrial de restos de comida de procedências duvidosas e qualidade nutricional mais duvidosa ainda.

A Plataforma Sinergia é uma entidade "sem fins lucrativos" comandada por uma ex-empresária da Monsanto (fabricante de agrotóxicos e alimentos transgênicos…

Brasileiros têm dificuldade para se despedir de Doca Street

Nosso país é ultraconservador e dotado de estranhos "heróis", que incluem ídolos religiosos, políticos do tempo da ditadura militar, tecnocratas e até machistas de perfil bem moralista, os quais temos medo de perder, como se fossem nossos tios queridos.

Todos morrem, mas os feminicidas são os únicos que "não podem morrer". Eles que mais descuidam da saúde, sofrem pressões morais violentas por todos os lados, fragilizam suas almas alternando raivas explosivas e depressões abatedoras, e nós temos que acreditar que eles são feito ciborgues aos quais nem uma doença incurável consegue abatê-los.

Há 40 anos exatos, um caso de machismo violento aconteceu em Armação de Búzios. O empresário Raul Fernando do Amaral Street, o Doca Street, então com 42 anos, assassinou, com dois tiros, a socialite Ângela Diniz, a "pantera de Minas Gerais", que chegou a fazer uma sessão de moda para a revista A Cigarra, nos anos 60.

O motivo alegado era o da "legítima defesa de …

"Espiritismo" virou reaça?

MEMBROS DO MOVIMENTO BRASIL LIVRE - "Crianças-índigo" ou "coxinhas"?

Deu tanto no "Correio Espírita" quanto no novo livro de Robson Pinheiro, o "médium" escritor do momento. Citando os movimentos de 13 de março de 2016, auge das manifestações "Fora Dilma", o "movimento espírita" classifica esses movimentos como "libertação" e suposto indício de que a Terra começou seu "processo de regeneração".

Vejam que ridículo, Vamos para o livro de Robson Pinheiro. Intitulado O Partido (palavra que tem as letras P e T, o que faz trocadilho com o PT), e tendo como subtítulo Projeto Criminoso de Poder, o livro é uma risível ficção travestida de "psicografia" atribuído a um suposto espírito de nome Ângelo Inácio.

Nele há um maniqueísmo simplório e um enredo digno de estorinha de super-herói ruim. Algo como um rascunho de um enredo de Dragon Ball-Z não aproveitado antes e jogado no lixo. Um crítico da deturpação …

Divaldo Franco deixou a máscara cair com comentários reacionários

A "casa espírita" está caindo. A ação dos "místicos" e adeptos de Jean-Baptiste Roustaing, que vestiram, durante quatro décadas, a capa do "kardecismo autêntico" que se tornou a "fase dúbia" do "movimento espírita", aquela que bajulava o legado espírita original mas praticava o igrejismo mais medieval, mostrou a que veio com posturas reacionárias ditas pelo "médium" baiano Divaldo Pereira Franco.

No "congresso espírita" de Goiás, no último dia 13 de fevereiro, durante uma entrevista coletiva com Haroldo Dutra Dias e a plateia, Divaldo Franco deixou de lado aquele tom melífluo de suas palestras e mostrou o charlatão que era, revelando seu lado ranzinza que estava oculto nas suas poses forçadamente sorridentes e mansas.

Divaldo, que estava perto de ser a unanimidade absoluta pela ilusão e pela fábrica de consenso que se plantou ao redor de sua pessoa, passou a fazer comentários grosseiros, admitindo, em certo momento…

Sim, o "movimento espírita" está sintonizado com os tempos reacionários de hoje

Nos últimos tempos, o "espiritismo" brasileiro, aquele popularizado por Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, mostrou sua verdadeira face. Conservador, reacionário, defensor do sofrimento alheio, praticante de caridade de baixos resultados e difusor de um igrejismo medieval.

As forças progressistas brasileiras se iludiram demais com a embalagem "moderna", "modesta" e "generosa" do "movimento espírita" e viram em Chico Xavier e Divaldo Franco a "personificação" da generosidade, sem saber que isso nunca passou de um duvidoso e discutível mito plantado pelos meios de comunicação.

O Brasil nunca saiu para valer de sua condição de país miserável e desigual e, quando houve políticos que tentaram fazer alguma coisa, de Getúlio Vargas a Dilma Rousseff, passando por João Goulart e Lula, as elites reagiram com fúria, banindo os governantes do poder ou, no caso de Lula, fazendo campanha difamatória durante seus governos e …

A imagem deplorável do culto à personalidade de um suposto médium

Depois de uma longa folga, não pude me silenciar quando um amigo meu me apresentou na Internet essa imagem acima. Embora muitos acreditem que essa imagem é de indiscutível beleza e saiam ao mesmo tempo felizes e com lágrimas de olhos de tanta comoção, ela é bem grosseira e revela o culto à personalidade dos ditos "médiuns" brasileiros.

Isso é deplorável e a imagem mostra um discurso que, bem observado, nada tem de agradável nem de comovente. Pelo contrário. Trata-se de um processo de humilhação do povo pobre que, em aparante gratidão pelos poucos donativos obtidos, beijam a mão do "benfeitor", que é o que mais ganha nesse show de Assistencialismo em que vemos, que mais ajuda o "filantropo" do que os mais necessitados.

Temos que questionar, e muito, a dita "caridade espírita", que muitos confundem com algo revolucionário. Se essa "caridade" desse certo, o Brasil teria atingido níveis elevados de qualidade de vida, liberdade e progresso…

"Espíritas" não conseguiram conter ascensão do fascismo

O "espiritismo" brasileiro se diz aflito. Palestras, doutrinárias e publicações se voltam para o tema do "ódio" e das "convulsões sociais" e alegam "muita preocupação" com os rumos de uma sociedade em guerra, devido à chamada polarização social.

Embora pareçam tristonhos e aflitos com esse quadro, dizendo rogar a Deus e orar muito para que o Brasil "retome o caminho para a paz", sabemos que, por baixo dos panos, o "espiritismo" brasileiro contribuiu, sim, para a construção do imaginário que agora apela para botar Jair Bolsonaro, ícone do fascismo, para governar o Brasil, logo na época da tal "data-limite" sonhada por Francisco Cândido Xavier, 2019.

O ódio anti-petista que contagia a grande imprensa, o Poder Judiciário, o Ministério Público, boa parte do empresariado, várias subcelebridades querendo recuperar o antigo sucesso, faz com que Jair Bolsonaro seja um fenômeno fake de uma parcela da população que lê muito

"Superioridade espiritual" de Chico Xavier e Divaldo Franco é uma farsa

Muito se fala da suposta superioridade espiritual de Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, que seus seguidores definem como "espíritos puros" e dotados da mais extrema elevação moral dentro do "movimento espírita" brasileiro.

São muitos relatos, argumentos, evocações, tudo o mais para tentar afirmar que os dois são as pessoas que mais chegaram ao máximo da evolução espiritual, talvez até mais do que Jesus Cristo, segundo alguns, até pelo fato de terem chegado à velhice (Chico Xavier faleceu há 13 anos).

Só que essa visão nada tem a ver com a realidade. Sabendo que o "movimento espírita" brasileiro se desenvolveu às custas de mitificações, mistificações e fraudes diversas, é também notório que Chico Xavier e Divaldo Franco também participaram, com gosto, em muitas falcatruas cometidas pelo "espiritismo" brasileiro.

Eles erraram, e erraram muitíssimo. Usaram o prestígio que acumularam ao longo dos anos para legitimar e popularizar mi…