segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Supremo Tribunal Federal não merece Alexandre de Moraes

UMA DAS OBRAS DE ALEXANDRE DE MORAES - Reprimir manifestações contra a arbitrariedade e os abusos do poder político.

Que ninguém aceite o nome de Alexandre de Moraes como ministro do Supremo Tribunal Federal. Entidade máxima do Poder Judiciário, o STF será prejudicado com a presença de um jurista de atuação não só irregular, mas completamente maléfica para o Brasil.

As pessoas tem que entender a nomeação de hoje como uma catástrofe para o país, como um sério prejuízo às leis e à normalidade democrática nacional. Se caso, depois da edição deste texto, ele for escolhido, que tudo seja feito para retirá-lo do cargo. Se houve pressão para tirar Dilma Rousseff do poder, seria melhor que também se tirasse Alexandre de Moraes do STF de qualquer maneira.

Onde estão os manifestantes, as pessoas nas ruas? Cadê as pessoas com camisa verde-amarela para protestar contra uma indicação destas? Será que as pessoas não se preocupam com a catástrofe? Alexandre de Moraes nem era para ser ministro da Justiça, quanto mais ministro do Supremo Tribunal Federal, considerado instituição máxima do Judiciário!

A atuação de Alexandre de Moraes foi um risco para o país, seja como secretário de Segurança Pública do governo de Geraldo Alckmin, seja como ministro da Justiça desse calamitoso governo de Michel Temer.

Moraes já tem em seu currículo acusações de ter defendido o PCC, como advogado. Ele mandou reprimir violentamente manifestações estudantis, a ponto de deixar manifestantes seriamente feridos e com sequelas graves. Ele advogou até para o ex-deputado Eduardo Cunha, algo que deveria botar as pessoas para fazer passeatas em todo o país!!

Moraes, tendencioso, participou de um comício de um candidato do PSDB a uma prefeitura paulista, e disse, fazendo gracinha, que viria "mais Lava Jato" nos dias seguintes. Um rival do candidato, o ex-ministro de Lula, Antônio Palocci, foi preso. A atitude de Moraes foi considerada ilegal e inconveniente e quase pôs sua situação a perder. Apenas as conveniências políticas garantiram a permanência do ministro, que tinha tudo para ser expulso do cargo.

Moraes também não se interessou a mandar tropas federais para conter uma rebelião de presos em Roraima. Uma prefeita de Roraima, do partido da base aliada do governo Temer, o PP, pediu o envio de tropas e Moraes recusou. Resultado: uma chacina ocorreu no local, matando detentos de menor periculosidade, sem envolvimento com facções e cumprindo prisão provisória.

O perfil de Alexandre de Moraes não tem a isenção necessária para assumir um posto do Supremo Tribunal Federal. Ele que seja um jurista atuando no ostracismo. Quando muito, como um professor universitário, embora já seja demais. O mais irônico é que o próprio Alexandre de Moraes defende uma tese em seus livros de Direito que ocupantes de cargos de confiança não podem ocupar funções no Supremo Tribunal Federal.

O Brasil já enfrentou retrocessos demais para encarar uma cilada dessas. Já foi aprovada a PEC que limita os gastos públicos, está em andamento a venda de nossas riquezas para estrangeiros, as reformas trabalhista e previdenciária irão desfazer históricas conquistas sociais e há um lobby para elas serem aprovadas.

Pior: já morreu a ex-primeira-dama Marisa Letícia, pressionada por calúnias contra ela e sua família, sobretudo o marido Lula, resultante do abuso irresponsável e truculento do direito de se opor ao PT, que seria até saudável se fosse evitada toda essa campanha de ódio e calúnias.

Que algo seja feito para impedir que Alexandre de Moraes assuma o cargo de ministro do STF, na vaga do falecido Teori Zavascki. Que tudo seja feito para o STF ser uma instituição completamente distante da vida desse jurista e que tudo fosse feito para o cargo escapar de suas mãos. Pedimos à presidente do STF, Carmen Lúcia, prudência e que impeça a entrada de um sujeito nesses no órgão. Temer não é dono do Brasil!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.