Pular para o conteúdo principal

Chico Xavier causou prejuízos ao Brasil


Francisco Cândido Xavier prejudicou o país, deturpando a Doutrina Espírita e se valendo de seu prestígio para cometer fraudes e explorar a emotividade das famílias sofridas, alimentando impunemente seu mito que favorece o poderio de uma seita religiosa marcada por sua desonestidade.

Essa desonestidade se observa em tudo que a Federação "Espírita" Brasileira fez "em prol do Espiritismo", na verdade uma sucessão de fraudes grotescas e de traições cruéis à doutrina de Allan Kardec, que, diz uma piada bastante pesada, só aproveita, do Controle Universal do Ensino dos Espíritos, as duas primeiras letras de sua sigla.

Sim, é uma piada bastante agressiva, mas é ilustrativa. Afinal, o "espiritismo" brasileiro aproveitava do lixo rejeitado por Allan Kardec, do que era despejado e estava de acordo com o Catolicismo medieval que os "espíritas" juram de joelhos sentirem severo repúdio, mas do qual aproveitam sua essência trazida pela herança jesuíta do Brasil colonial.

Chico Xavier foi um mito que fez crescer essa forma deturpada, grosseira, que dá pena dizer que é caricata porque a caricatura, pelo menos, guarda algum traço de sua fonte original, embora usada para fins de paródia. Porque o "espiritismo" brasileiro nem de longe soa como um arremedo da doutrina de Kardec, seu distanciamento é tão pleno que é impossível não pensar em ruptura.

É só observar o que a quase totalidade de atividades "espíritas" faz: pregações moralistas sobre a instituição Família e meras divagações sobre problemas emocionais. Nem se pode dizer problemas psicológicos, porque a Ciência não é o forte do "movimento espírita", e Psicologia nem de longe aparece na sua apreciação científica.

Tudo é apenas um religiosismo tosco, espécie de Catolicismo de fundo de quintal, que nada traz da Ciência Espírita nem de outros tipos de ciência. Daí soar risível que um documentário, mero desperdício cinematográfico chamado Data-Limite Segundo Chico Xavier, promova o anti-médium mineiro como "cientista", "sociólogo", "analista político" e até "estrategista geopolítico" (?!).

Chico Xavier era um católico praticante, fervoroso, rezador de terços, adorador de imagens, crente em dogmas medievais, que evocou um jesuíta, o padre Manuel da Nóbrega, que adotou o codinome Emmanuel com base no título "Ermano Manuel" usado em documentos.

Ideologicamente, Chico Xavier era um figurão ultraconservador, que preferia a oração em silêncio do que o ativismo social e que, conforme comprova sua entrevista no programa Pinga-Fogo em 1971, defendeu com entusiasmo a ditadura militar, que o anti-médium alegava estar construindo um "reino de amor e de luz" da humanidade futura. O tal "Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho".

Isso é grave, em se tratando de um mito cujos seguidores definem equivocadamente como "progressista". Afinal, em 1971, época do AI-5 e de muitos mortos e desaparecidos, metade da direita que defendeu o golpe militar de 1964 passou para a oposição a um bom tempo (até antes do próprio AI-5), e o "progressista" Chico Xavier demonstrava uma fúria golpista assustadora.

Ingenuidade? Não. Chico Xavier era esperto, à sua maneira. Ele era o partidário das orações em silêncio, aconselhava as pessoas a "sofrer amando", e dá para imaginar o Chico Xavier dizendo para os torturados que tomavam choque elétrico com os pés nus num balde de água para terem amor e agradecerem pela "oportunidade" que tiveram na ocasião e se acharem "abençoados".

O grande problema é que muitas "bênçãos", na verdade, eram corpos jogados em lugares quaisquer, que só os torturadores sabiam onde era, apodrecendo os cadáveres com o passar do tempo, virando meras ossadas para a pesquisa posterior de investigadores.

Chico Xavier deturpou a Doutrina Espírita, atraiu fortunas para os chefões da FEB (principalmente o presidente e artífice do mito chiquista, Antônio Wantuil de Freitas, que teria co-escrito, com Xavier, vários livros atribuídos a Humberto de Campos) e explorou a emotividade de familiares de jovens mortos, que viraram atração do sensacionalismo religioso e midiático, tirados de sua sofrida privacidade.

Ele corrompeu a prática mediúnica, que virou um vale-tudo de mensagens apócrifas e tiradas da imaginação de supostos médiuns. O próprio Chico Xavier foi um deles, criando mensagens da própria mente, algo que pode ser verificado com as "cartas" que só têm a sua caligrafia ou, quando muito, com o acréscimo da caligrafia de algum colaborador seu.

E tudo isso é feito para promover um panfletarismo religioso, como reles propaganda igrejista, feita para criar um verniz de bondade e filantropia e acobertar as irregularidades relacionadas, sobretudo, à falsidade ideológica, mas também referentes à incompetência mediúnica dos que não têm concentração suficiente para absorver a presença de espíritos do além.

Infelizmente, o que se entende como "mediunidade" são supostos médiuns fechando levemente os olhos, mas mantendo-os bem abertos o suficiente para enxergar cavaletes para pastiches de pinturas, papéis para falsas psicografias ou microfones para expressar seus falsetes de vozes que os ditos "médiuns" supõem terem sido as personalidades de passado remoto e anterior à popularização do fonógrafo (primeiro aparelho a registrar a voz humana, surgido em 1877).

O verniz de caridade e amor se carregava nas mensagens "fraternais", no amor preso às palavras, no apelo incessante a sentimentos de fraternidade que o "espiritismo" não consegue exercer no silêncio dos atos. Um apelo hipócrita, cujas palavras persuasivas são de uma pieguice enjoativa que causa nojo a muitas pessoas e não resolve as tensões humanas neste mundo turbulento de hoje.

Chico Xavier, o homem das palavras bonitinhas, recheou seus "maravilhosos" livros de erros históricos grotescos, de lições moralistas severas, de misticismo barato, de fantasias surreais, tudo a título de uma falsidade ideológica, se aproveitando da falta de alguma legislação que regulasse o uso póstumo das personalidades do além-túmulo.

Daí que ele prejudicou o Brasil, em muitos e muitos aspectos. E seus seguidores não conseguem trazer argumentos consistentes a favor. Tomados de fanatismo, eles preferem a cegueira da fé que os mantém na zona de conforto da incompreensão de muitas coisas, do comodismo de não questionarem certas coisas e do conformismo de sofrerem o que lhes é imposto, sem queixumes.

Daí que Chico Xavier simbolizou uma doutrina que pregava o conformismo em vez da ação social, a crendice mais subserviente em vez do raciocínio questionador, e usurpava a reputação de Allan Kardec para legitimar coisas que o professor lionês nunca apoiaria.

Só pela exploração leviana das tristezas das famílias e pela usurpação dos nomes dos mortos, Chico Xavier não deveria ser visto como "espírito superior" e, sim, rebaixado a um espírito ordinário que terá que voltar à Terra para resolver suas pesadíssimas dívidas morais. Fora da ilusão das paixões terrenas, Chico voltou à pátria espiritual levando um choque e contraindo um peso na consciência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros têm dificuldade para se despedir de Doca Street

Nosso país é ultraconservador e dotado de estranhos "heróis", que incluem ídolos religiosos, políticos do tempo da ditadura militar, tecnocratas e até machistas de perfil bem moralista, os quais temos medo de perder, como se fossem nossos tios queridos.

Todos morrem, mas os feminicidas são os únicos que "não podem morrer". Eles que mais descuidam da saúde, sofrem pressões morais violentas por todos os lados, fragilizam suas almas alternando raivas explosivas e depressões abatedoras, e nós temos que acreditar que eles são feito ciborgues aos quais nem uma doença incurável consegue abatê-los.

Há 40 anos exatos, um caso de machismo violento aconteceu em Armação de Búzios. O empresário Raul Fernando do Amaral Street, o Doca Street, então com 42 anos, assassinou, com dois tiros, a socialite Ângela Diniz, a "pantera de Minas Gerais", que chegou a fazer uma sessão de moda para a revista A Cigarra, nos anos 60.

O motivo alegado era o da "legítima defesa de …

Imagem "bondosa" de Chico Xavier foi inventada pela mídia para salvar ditadura militar

CHICO XAVIER TAMBÉM FOI ASTRO DA REDE GLOBO.

Todos estão acostumados com a imagem de Francisco Cândido Xavier associada a flores, passarinhos, criancinhas, céu de brigadeiro e coraçõezinhos fofinhos. Ele virou uma espécie de "fada-madrinha" para gente grande no mundo real, e tornou-se o único brasileiro o qual a fantasia prevalece sobre a realidade, sendo blindado com mil relativismos diante de toda revelação realista que comprometer essa dócil e confortável reputação.

No entanto, o mito de Chico Xavier como "símbolo de amor e paz" é falso, e foi uma criação da grande mídia, no final da década de 1970, para não só promover um ídolo religioso que sirva de cortina de fumaça para a revolta social contra a ditadura militar, como para forjar um suposto ativista que não comprometesse os privilégios sociais das elites e que pudesse, também, salvar e proteger a ditadura militar através de um pretenso militante social ao agrado da sociedade conservadora.

Que Chico Xavier já…

Caso João de Deus é apenas a ponta do iceberg de escândalos ainda piores

A FAMIGLIA "ESPÍRITA" UNIDA.
Hoje o "médium" e latifundiário João Teixeira de Faria, o João de Deus, se entregou à polícia de Goiás, a pedido do Ministério Público local e da Polícia Civil. Ele é acusado de assediar sexualmente mais de 300 mulheres e de ocultar um patrimônio financeiro que o faz um dos homens mais ricos do Estado. João nega as acusações de assédio, mas provas indicam que eles ocorreram desde 1983.
Embora os adeptos do "espiritismo" brasileiro façam o possível para minimizar o caso, ele é, certamente, a ponta do iceberg de escândalos ainda piores que podem acontecer, que farão, entre outras coisas, descobrir as fraudes em torno de atividades supostamente mediúnicas, que, embora com fortes indícios de irregularidades, são oficialmente legitimadas por parecerem "agradáveis" e "edificantes" para o leitor brasileiro médio.
O caso João de Deus é apenas o começo, embora ele não tenha sido o único escândalo. Outros escândalos …

Padre Quevedo: A farsa de Chico Xavier

Esse instigante livro é leitura obrigatória para quem quer saber das artimanhas de um grande deturpador do Espiritismo francês, e que se promoveu através de farsas "mediúnicas" que demonstram uma série de irregularidades. Publicamos aqui em memória ao parapsicólogo Padre Oscar Quevedo, que morreu hoje, aos 89 anos.

Para quem é amigo da lógica e do bom senso, lerá este texto até o fim, nem que seja preciso imprimi-lo para lê-lo aos poucos. Mas quem está movido por paixões religiosas e ainda sente fascinação obsessiva por Chico Xavier, vai evitar este texto chorando copiosamente ou mordendo os beiços de raiva.

A farsa de Chico Xavier

Por Padre Quevedo

Francisco Cândido Xavier (1910-2002), mais conhecido como “Chico Xavier”, começou a exercer sistematicamente como “médium” espiritista psicógrafo à idade de 17 anos no Centro Espírita de Pedro Leopoldo, sua cidade natal.

# Durante as últimas sete décadas foi sem dúvidas e cada vez mais uma figura muitíssimo famosa. E a mais consider…

"Espíritas" anunciaram inauguração da "Pátria do Evangelho" na ascensão de Jair Bolsonaro

A edição do "Correio Espírita", periódico fluminense, de agosto de 2017, anuncia o surgimento da "Pátria do Evangelho", como se já inaugurasse uma fase de suposto progresso humanitário sonhada pelo "médium" Francisco Cândido Xavier.

Todavia, sabemos que foi nessa época que começava a se projetar, aos poucos, a ascensão política de Jair Bolsonaro, lembrando a entrada no auge de Chico Xavier, durante a ditadura militar. Não que Chico ou Jair tivessem surgido nessas épocas respectivas, mas antes delas os dois não passavam de exóticos arrivistas envolvidos em muita confusão e controvérsia.

Assim como foi a partir de meados da década de 1970 que começou-se a trabalhar o mito de pretenso filantropo de Chico Xavier, tomando emprestado o roteiro de Malcolm Muggeridge feito para Madre Teresa de Calcutá, o mito de Jair Bolsonaro se ascendeu dentro do radicalismo do conservadorismo social que já havia colocado Michel Temer no poder, um ano antes.

Chico e Jair se as…

Foi a Editora Abril homenagear Chico Xavier e seus funcionários foram para a rua

CHICO XAVIER, PAULO GUEDES, JAIR BOLSONARO, FAMÍLIA CIVITA E O EMPRESÁRIO FÁBIO CARVALHO, DO BTG PACTUAL - Todos juntos.

"Boas" energias. Foi só a Editora Abril, através da publicação Superinteressante, publicar uma edição especial com o "médium" Francisco Cândido Xavier, para seu grupo empresarial entrar em falência. Mas, como em toda energia trazida pelo "espiritismo" deturpado que fugiu dos ensinamentos franceses, a corda arrebentou no lado mais fraco.

Centenas de funcionários do grupo, sediado em São Paulo, foram demitidos nos últimos anos. Só em agosto de 2018 foram 800. E os salários que restavam a pagá-los foram atrasados, constituindo num calote movido pela empresa, então controlada por Giancarlo Civita, conhecido como "Gianca", e Victor Civita Neto, que venderam a empresa para Fábio Carvalho, do banco BTG Pactual, mediante uma dívida de R$ 1,6 bilhão a ser negociada através de uma recuperação judicial.

Essa recuperação envolverá novas d…

Chico Xavier, que abençoou João de Deus, fez assédio moral a Humberto de Campos Filho

HUMBERTO DE CAMPOS FILHO SOFREU ASSÉDIO MORAL DE CHICO XAVIER PARA TENTAR ABAFAR NOVOS PROCESSOS JUDICIAIS.

Dizem que nunca Uberaba ficou tão próxima de Abadiânia, embora fossem situadas em Estados diferentes. Na verdade, as duas cidades são relativamente próximas, diferindo apenas na distância que requer cerca de seis horas e meia de viagem. Mas, com o escândalo de João Teixeira de Faria, o João de Deus, até parece que as duas cidades se tornaram vizinhas.

Isso porque o "médium" Francisco Cândido Xavier, popularmente conhecido como Chico Xavier, em que pese a sua reputação oficial de "espírito de luz" e pretenso símbolo de amor e bondade humanas, consentiu, ao abençoar João de Deus, com sua trajetória irregular e seus crimes.

Se realmente fosse o sábio e o intuitivo que tanto dizem ser, Chico Xavier teria se prevenido e iniciado uma desconfiança em torno de João de Deus, até pressentindo seu caráter leviano. Mas Chico nada o fez e permitiu que se abrisse o caminho…

"Superioridade espiritual" de Chico Xavier e Divaldo Franco é uma farsa

Muito se fala da suposta superioridade espiritual de Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, que seus seguidores definem como "espíritos puros" e dotados da mais extrema elevação moral dentro do "movimento espírita" brasileiro.

São muitos relatos, argumentos, evocações, tudo o mais para tentar afirmar que os dois são as pessoas que mais chegaram ao máximo da evolução espiritual, talvez até mais do que Jesus Cristo, segundo alguns, até pelo fato de terem chegado à velhice (Chico Xavier faleceu há 13 anos).

Só que essa visão nada tem a ver com a realidade. Sabendo que o "movimento espírita" brasileiro se desenvolveu às custas de mitificações, mistificações e fraudes diversas, é também notório que Chico Xavier e Divaldo Franco também participaram, com gosto, em muitas falcatruas cometidas pelo "espiritismo" brasileiro.

Eles erraram, e erraram muitíssimo. Usaram o prestígio que acumularam ao longo dos anos para legitimar e popularizar mi…

Atriz de 'As Patricinhas de Beverly Hills' passa Chico Xavier para trás

BRITTANY MURPHY NOS PRIMÓRDIOS E NO FINAL DA CARREIRA.

Recentemente, foram celebrados os 20 anos da comédia juvenil As Patricinhas de Beverly Hills, que a cineasta Amy Heckerling dirigiu e adaptou, para os anos 90, o enredo da obra literária Emma (1815), de Jane Austen (1775-1817).

Uma das "patricinhas", a personagem nerd Tai Frasier, foi interpretada pela saudosa Brittany Murphy (1977-2009), brilhante atriz, produtora e cantora que só faleceu aos 32 anos por alguma causa misteriosa, mas sempre relacionada ao infeliz casamento com o produtor inglês Simon Monjack (1970-2010), que provavelmente teria sido mulherengo, caloteiro e viciado em drogas.

Pois é muito curioso que Brittany Murphy é mais admirável que Chico Xavier, apesar das relações entre mito e realidade colocassem a alegre, simpática, sensível e talentosa Britt numa situação bastante desfavorável.

Brittany teve um pai, Ângelo Joseph Bertolotti, o A. J., que abandonou a mulher - Sharon Murphy, mãe da atriz - , chegou…