Pular para o conteúdo principal

Chico Xavier causou prejuízos ao Brasil


Francisco Cândido Xavier prejudicou o país, deturpando a Doutrina Espírita e se valendo de seu prestígio para cometer fraudes e explorar a emotividade das famílias sofridas, alimentando impunemente seu mito que favorece o poderio de uma seita religiosa marcada por sua desonestidade.

Essa desonestidade se observa em tudo que a Federação "Espírita" Brasileira fez "em prol do Espiritismo", na verdade uma sucessão de fraudes grotescas e de traições cruéis à doutrina de Allan Kardec, que, diz uma piada bastante pesada, só aproveita, do Controle Universal do Ensino dos Espíritos, as duas primeiras letras de sua sigla.

Sim, é uma piada bastante agressiva, mas é ilustrativa. Afinal, o "espiritismo" brasileiro aproveitava do lixo rejeitado por Allan Kardec, do que era despejado e estava de acordo com o Catolicismo medieval que os "espíritas" juram de joelhos sentirem severo repúdio, mas do qual aproveitam sua essência trazida pela herança jesuíta do Brasil colonial.

Chico Xavier foi um mito que fez crescer essa forma deturpada, grosseira, que dá pena dizer que é caricata porque a caricatura, pelo menos, guarda algum traço de sua fonte original, embora usada para fins de paródia. Porque o "espiritismo" brasileiro nem de longe soa como um arremedo da doutrina de Kardec, seu distanciamento é tão pleno que é impossível não pensar em ruptura.

É só observar o que a quase totalidade de atividades "espíritas" faz: pregações moralistas sobre a instituição Família e meras divagações sobre problemas emocionais. Nem se pode dizer problemas psicológicos, porque a Ciência não é o forte do "movimento espírita", e Psicologia nem de longe aparece na sua apreciação científica.

Tudo é apenas um religiosismo tosco, espécie de Catolicismo de fundo de quintal, que nada traz da Ciência Espírita nem de outros tipos de ciência. Daí soar risível que um documentário, mero desperdício cinematográfico chamado Data-Limite Segundo Chico Xavier, promova o anti-médium mineiro como "cientista", "sociólogo", "analista político" e até "estrategista geopolítico" (?!).

Chico Xavier era um católico praticante, fervoroso, rezador de terços, adorador de imagens, crente em dogmas medievais, que evocou um jesuíta, o padre Manuel da Nóbrega, que adotou o codinome Emmanuel com base no título "Ermano Manuel" usado em documentos.

Ideologicamente, Chico Xavier era um figurão ultraconservador, que preferia a oração em silêncio do que o ativismo social e que, conforme comprova sua entrevista no programa Pinga-Fogo em 1971, defendeu com entusiasmo a ditadura militar, que o anti-médium alegava estar construindo um "reino de amor e de luz" da humanidade futura. O tal "Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho".

Isso é grave, em se tratando de um mito cujos seguidores definem equivocadamente como "progressista". Afinal, em 1971, época do AI-5 e de muitos mortos e desaparecidos, metade da direita que defendeu o golpe militar de 1964 passou para a oposição a um bom tempo (até antes do próprio AI-5), e o "progressista" Chico Xavier demonstrava uma fúria golpista assustadora.

Ingenuidade? Não. Chico Xavier era esperto, à sua maneira. Ele era o partidário das orações em silêncio, aconselhava as pessoas a "sofrer amando", e dá para imaginar o Chico Xavier dizendo para os torturados que tomavam choque elétrico com os pés nus num balde de água para terem amor e agradecerem pela "oportunidade" que tiveram na ocasião e se acharem "abençoados".

O grande problema é que muitas "bênçãos", na verdade, eram corpos jogados em lugares quaisquer, que só os torturadores sabiam onde era, apodrecendo os cadáveres com o passar do tempo, virando meras ossadas para a pesquisa posterior de investigadores.

Chico Xavier deturpou a Doutrina Espírita, atraiu fortunas para os chefões da FEB (principalmente o presidente e artífice do mito chiquista, Antônio Wantuil de Freitas, que teria co-escrito, com Xavier, vários livros atribuídos a Humberto de Campos) e explorou a emotividade de familiares de jovens mortos, que viraram atração do sensacionalismo religioso e midiático, tirados de sua sofrida privacidade.

Ele corrompeu a prática mediúnica, que virou um vale-tudo de mensagens apócrifas e tiradas da imaginação de supostos médiuns. O próprio Chico Xavier foi um deles, criando mensagens da própria mente, algo que pode ser verificado com as "cartas" que só têm a sua caligrafia ou, quando muito, com o acréscimo da caligrafia de algum colaborador seu.

E tudo isso é feito para promover um panfletarismo religioso, como reles propaganda igrejista, feita para criar um verniz de bondade e filantropia e acobertar as irregularidades relacionadas, sobretudo, à falsidade ideológica, mas também referentes à incompetência mediúnica dos que não têm concentração suficiente para absorver a presença de espíritos do além.

Infelizmente, o que se entende como "mediunidade" são supostos médiuns fechando levemente os olhos, mas mantendo-os bem abertos o suficiente para enxergar cavaletes para pastiches de pinturas, papéis para falsas psicografias ou microfones para expressar seus falsetes de vozes que os ditos "médiuns" supõem terem sido as personalidades de passado remoto e anterior à popularização do fonógrafo (primeiro aparelho a registrar a voz humana, surgido em 1877).

O verniz de caridade e amor se carregava nas mensagens "fraternais", no amor preso às palavras, no apelo incessante a sentimentos de fraternidade que o "espiritismo" não consegue exercer no silêncio dos atos. Um apelo hipócrita, cujas palavras persuasivas são de uma pieguice enjoativa que causa nojo a muitas pessoas e não resolve as tensões humanas neste mundo turbulento de hoje.

Chico Xavier, o homem das palavras bonitinhas, recheou seus "maravilhosos" livros de erros históricos grotescos, de lições moralistas severas, de misticismo barato, de fantasias surreais, tudo a título de uma falsidade ideológica, se aproveitando da falta de alguma legislação que regulasse o uso póstumo das personalidades do além-túmulo.

Daí que ele prejudicou o Brasil, em muitos e muitos aspectos. E seus seguidores não conseguem trazer argumentos consistentes a favor. Tomados de fanatismo, eles preferem a cegueira da fé que os mantém na zona de conforto da incompreensão de muitas coisas, do comodismo de não questionarem certas coisas e do conformismo de sofrerem o que lhes é imposto, sem queixumes.

Daí que Chico Xavier simbolizou uma doutrina que pregava o conformismo em vez da ação social, a crendice mais subserviente em vez do raciocínio questionador, e usurpava a reputação de Allan Kardec para legitimar coisas que o professor lionês nunca apoiaria.

Só pela exploração leviana das tristezas das famílias e pela usurpação dos nomes dos mortos, Chico Xavier não deveria ser visto como "espírito superior" e, sim, rebaixado a um espírito ordinário que terá que voltar à Terra para resolver suas pesadíssimas dívidas morais. Fora da ilusão das paixões terrenas, Chico voltou à pátria espiritual levando um choque e contraindo um peso na consciência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Elites do atraso, aplausos a Jair Bolsonaro e higienismo social

O que tem em comum o fascismo de Jair Bolsonaro, a ênfase da solteirice feminina no "popular demais", a pistolagem no campo, as balas "perdidas" no Rio de Janeiro e o pavor surreal de uma parcela da sociedade brasileira em ver feminicidas morrerem, ainda mais precocemente?

Simples. Está em andamento, sutilmente, uma espécie de "engenharia social higienista", um processo que nunca é assumido na teoria, mas que se nota em reações insólitas nas redes sociais ou em diversos absurdos que acontecem tanto na mídia do entretenimento quanto na imprensa e na política dominantes.

A ideia da sociedade conservadora é criar um eclético mecanismo de redução da população mestiça e negra, que compõe a maioria esmagadora da população pobre, ou o processo de evitar a reprodutividade de muitas mulheres.

Daí o estranho apego a feminicidas que, por seus impulsos emocionais próprios e seus vícios, contraem doenças ou riscos de acidentes trágicos e, por isso, são muito mais vul…

O gravíssimo apoio de Divaldo Franco a uma iniciativa desumana

O "espiritismo" brasileiro pode estar envolvido em mais um episódio extremamente vergonhoso, deplorável e simplesmente constrangedor. É o apoio, através do "médium" Divaldo Franco, de um engodo alimentar lançado pelo prefeito de São Paulo, João Dória Jr., um político que demonstra estar em um sério processo de decadência.

Pode parecer chocante, porque aparentemente apenas católicos, como o arcebispo de São Paulo, cardeal dom Odilo Scherer, e setores das igrejas evangélicas são reconhecidos pela opinião pública dominante como apoiadores da "farinata" ou "granulado nutricional", também conhecido como "Allimento", produto da Plataforma Sinergia feito a partir de processamento industrial de restos de comida de procedências duvidosas e qualidade nutricional mais duvidosa ainda.

A Plataforma Sinergia é uma entidade "sem fins lucrativos" comandada por uma ex-empresária da Monsanto (fabricante de agrotóxicos e alimentos transgênicos…

Brasileiros têm dificuldade para se despedir de Doca Street

Nosso país é ultraconservador e dotado de estranhos "heróis", que incluem ídolos religiosos, políticos do tempo da ditadura militar, tecnocratas e até machistas de perfil bem moralista, os quais temos medo de perder, como se fossem nossos tios queridos.

Todos morrem, mas os feminicidas são os únicos que "não podem morrer". Eles que mais descuidam da saúde, sofrem pressões morais violentas por todos os lados, fragilizam suas almas alternando raivas explosivas e depressões abatedoras, e nós temos que acreditar que eles são feito ciborgues aos quais nem uma doença incurável consegue abatê-los.

Há 40 anos exatos, um caso de machismo violento aconteceu em Armação de Búzios. O empresário Raul Fernando do Amaral Street, o Doca Street, então com 42 anos, assassinou, com dois tiros, a socialite Ângela Diniz, a "pantera de Minas Gerais", que chegou a fazer uma sessão de moda para a revista A Cigarra, nos anos 60.

O motivo alegado era o da "legítima defesa de …

"Espiritismo" virou reaça?

MEMBROS DO MOVIMENTO BRASIL LIVRE - "Crianças-índigo" ou "coxinhas"?

Deu tanto no "Correio Espírita" quanto no novo livro de Robson Pinheiro, o "médium" escritor do momento. Citando os movimentos de 13 de março de 2016, auge das manifestações "Fora Dilma", o "movimento espírita" classifica esses movimentos como "libertação" e suposto indício de que a Terra começou seu "processo de regeneração".

Vejam que ridículo, Vamos para o livro de Robson Pinheiro. Intitulado O Partido (palavra que tem as letras P e T, o que faz trocadilho com o PT), e tendo como subtítulo Projeto Criminoso de Poder, o livro é uma risível ficção travestida de "psicografia" atribuído a um suposto espírito de nome Ângelo Inácio.

Nele há um maniqueísmo simplório e um enredo digno de estorinha de super-herói ruim. Algo como um rascunho de um enredo de Dragon Ball-Z não aproveitado antes e jogado no lixo. Um crítico da deturpação …

Divaldo Franco deixou a máscara cair com comentários reacionários

A "casa espírita" está caindo. A ação dos "místicos" e adeptos de Jean-Baptiste Roustaing, que vestiram, durante quatro décadas, a capa do "kardecismo autêntico" que se tornou a "fase dúbia" do "movimento espírita", aquela que bajulava o legado espírita original mas praticava o igrejismo mais medieval, mostrou a que veio com posturas reacionárias ditas pelo "médium" baiano Divaldo Pereira Franco.

No "congresso espírita" de Goiás, no último dia 13 de fevereiro, durante uma entrevista coletiva com Haroldo Dutra Dias e a plateia, Divaldo Franco deixou de lado aquele tom melífluo de suas palestras e mostrou o charlatão que era, revelando seu lado ranzinza que estava oculto nas suas poses forçadamente sorridentes e mansas.

Divaldo, que estava perto de ser a unanimidade absoluta pela ilusão e pela fábrica de consenso que se plantou ao redor de sua pessoa, passou a fazer comentários grosseiros, admitindo, em certo momento…

Sim, o "movimento espírita" está sintonizado com os tempos reacionários de hoje

Nos últimos tempos, o "espiritismo" brasileiro, aquele popularizado por Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, mostrou sua verdadeira face. Conservador, reacionário, defensor do sofrimento alheio, praticante de caridade de baixos resultados e difusor de um igrejismo medieval.

As forças progressistas brasileiras se iludiram demais com a embalagem "moderna", "modesta" e "generosa" do "movimento espírita" e viram em Chico Xavier e Divaldo Franco a "personificação" da generosidade, sem saber que isso nunca passou de um duvidoso e discutível mito plantado pelos meios de comunicação.

O Brasil nunca saiu para valer de sua condição de país miserável e desigual e, quando houve políticos que tentaram fazer alguma coisa, de Getúlio Vargas a Dilma Rousseff, passando por João Goulart e Lula, as elites reagiram com fúria, banindo os governantes do poder ou, no caso de Lula, fazendo campanha difamatória durante seus governos e …

A imagem deplorável do culto à personalidade de um suposto médium

Depois de uma longa folga, não pude me silenciar quando um amigo meu me apresentou na Internet essa imagem acima. Embora muitos acreditem que essa imagem é de indiscutível beleza e saiam ao mesmo tempo felizes e com lágrimas de olhos de tanta comoção, ela é bem grosseira e revela o culto à personalidade dos ditos "médiuns" brasileiros.

Isso é deplorável e a imagem mostra um discurso que, bem observado, nada tem de agradável nem de comovente. Pelo contrário. Trata-se de um processo de humilhação do povo pobre que, em aparante gratidão pelos poucos donativos obtidos, beijam a mão do "benfeitor", que é o que mais ganha nesse show de Assistencialismo em que vemos, que mais ajuda o "filantropo" do que os mais necessitados.

Temos que questionar, e muito, a dita "caridade espírita", que muitos confundem com algo revolucionário. Se essa "caridade" desse certo, o Brasil teria atingido níveis elevados de qualidade de vida, liberdade e progresso…

Atriz de 'As Patricinhas de Beverly Hills' passa Chico Xavier para trás

BRITTANY MURPHY NOS PRIMÓRDIOS E NO FINAL DA CARREIRA.

Recentemente, foram celebrados os 20 anos da comédia juvenil As Patricinhas de Beverly Hills, que a cineasta Amy Heckerling dirigiu e adaptou, para os anos 90, o enredo da obra literária Emma (1815), de Jane Austen (1775-1817).

Uma das "patricinhas", a personagem nerd Tai Frasier, foi interpretada pela saudosa Brittany Murphy (1977-2009), brilhante atriz, produtora e cantora que só faleceu aos 32 anos por alguma causa misteriosa, mas sempre relacionada ao infeliz casamento com o produtor inglês Simon Monjack (1970-2010), que provavelmente teria sido mulherengo, caloteiro e viciado em drogas.

Pois é muito curioso que Brittany Murphy é mais admirável que Chico Xavier, apesar das relações entre mito e realidade colocassem a alegre, simpática, sensível e talentosa Britt numa situação bastante desfavorável.

Brittany teve um pai, Ângelo Joseph Bertolotti, o A. J., que abandonou a mulher - Sharon Murphy, mãe da atriz - , chegou…

"Espíritas" não conseguiram conter ascensão do fascismo

O "espiritismo" brasileiro se diz aflito. Palestras, doutrinárias e publicações se voltam para o tema do "ódio" e das "convulsões sociais" e alegam "muita preocupação" com os rumos de uma sociedade em guerra, devido à chamada polarização social.

Embora pareçam tristonhos e aflitos com esse quadro, dizendo rogar a Deus e orar muito para que o Brasil "retome o caminho para a paz", sabemos que, por baixo dos panos, o "espiritismo" brasileiro contribuiu, sim, para a construção do imaginário que agora apela para botar Jair Bolsonaro, ícone do fascismo, para governar o Brasil, logo na época da tal "data-limite" sonhada por Francisco Cândido Xavier, 2019.

O ódio anti-petista que contagia a grande imprensa, o Poder Judiciário, o Ministério Público, boa parte do empresariado, várias subcelebridades querendo recuperar o antigo sucesso, faz com que Jair Bolsonaro seja um fenômeno fake de uma parcela da população que lê muito

"Superioridade espiritual" de Chico Xavier e Divaldo Franco é uma farsa

Muito se fala da suposta superioridade espiritual de Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, que seus seguidores definem como "espíritos puros" e dotados da mais extrema elevação moral dentro do "movimento espírita" brasileiro.

São muitos relatos, argumentos, evocações, tudo o mais para tentar afirmar que os dois são as pessoas que mais chegaram ao máximo da evolução espiritual, talvez até mais do que Jesus Cristo, segundo alguns, até pelo fato de terem chegado à velhice (Chico Xavier faleceu há 13 anos).

Só que essa visão nada tem a ver com a realidade. Sabendo que o "movimento espírita" brasileiro se desenvolveu às custas de mitificações, mistificações e fraudes diversas, é também notório que Chico Xavier e Divaldo Franco também participaram, com gosto, em muitas falcatruas cometidas pelo "espiritismo" brasileiro.

Eles erraram, e erraram muitíssimo. Usaram o prestígio que acumularam ao longo dos anos para legitimar e popularizar mi…