Pular para o conteúdo principal

As falsas psicografias


Infelizmente, ninguém conhece o que é mediunidade no Brasil. Para piorar, as pessoas aceitam esse desconhecimento, achando que tudo é verídico porque é misterioso, uma coisa inversa e radicalmente oposta ao que se ocorre na vida cotidiana.

Isso é grave, porque, no "espiritismo" feito no Brasil, aceita-se tudo sem verificar. E quando se pede para verificar, há quem finja cumprir os mais rígidos procedimentos para garantir veracidade das supostas mensagens espirituais.

Não se exige Inmetro, nem qualquer outro recurso de controle e verificação, e um caso típico da credulidade das pessoas corresponde às chamadas cartas "psicografadas", verdadeiros embustes que só fazem explorar e expor ao público as tristezas que as famílias poderiam viver na privacidade e sob assistência de pessoas com menor interesse oportunista possível.

O que se observa é que são pessoas escrevendo, com velocidade "industrial", mensagens apócrifas que têm a mesma caligrafia. São mensagens padronizadas, conforme a mente de cada suposto médium, e apresentam o mesmo apelo religioso.

Esses pretensos médiuns tentam se autopromover se aproveitando da emotividade das pessoas, das lágrimas sofridas, de tanta dor, e criam mensagens que atribuem aos parentes falecidos, sempre com aquele mesmo apelo religioso enjoado de tão repetitivo e tendencioso.

E se essas mensagens apresentam informações pessoais dos falecidos, é porque houve alguma consulta prévia. Os "doutores" da Universidade Federal de Juiz de Fora, embora admitam isso ser possível, tentam fazer crer que isso é raro no "movimento espírita" e praticamente inexistente nas atividades de Francisco Cândido Xavier e Divaldo Franco.

Sentimos muito desagradar chiquistas e divaldistas. mas nem eles são exceção. Tomados da mistificação que os protege na "impunidade astral", Chico e Divaldo não podem ser questionados em uma vírgula sequer, já que eles estão envoltos num estereótipo que envolve aspectos dóceis como velhice, humildade, obediência, polidez e outras coisas.

Pretensos sábios, eles não podem sequer ser desafiados. Há um faz-de-conta em torno de Chico Xavier, feito pelos referidos acadêmicos de Juiz de Fora, que finge questionar seus procedimentos e termina sempre com o parecer favorável a ele.

Os acadêmicos usam métodos duvidosos, geralmente genéricos, vagos e limitados, para verificar as tais "cartas psicográficas" que a gente até desconfia se o único propósito da pesquisa é proteger a reputação de Chico Xavier como líder religioso criando uma blindagem moldada em verniz científico.

As falsas psicografias são constatadas não porque odiamos o "espiritismo" e achamos as atividades em si ridículas e estúpidas. Podemos gostar e sentir simpatia de tudo isso, mas se tivéssemos a humildade da lógica e percebermos as falhas existentes, temos que seguir uma constatação que pode ser negativa, mas a realidade e a lógica têm que vir em primeiro lugar.

Muitas famílias são enganadas constantemente só porque alguém disse que a mensagem supostamente espiritual é verdadeira porque começa com "querida mamãe", ou por mensagens por demais emotivas e de profundo conteúdo religioso.

Claro, com o julgamento moralista de muitas famílias, geralmente conservadoras, todo mundo é induzido a acreditar que, lá no mundo espiritual, todo mundo ficou religioso, passou a acreditar mais em Deus e Jesus e fica só pedindo fraternidade para as pessoas, com um discuso panfletário e igrejista.

Podendo ser um punk ou uma noviça, é quase sempre o mesmo discurso, descontando as informações colhidas aqui e ali, não somente nas entrevistas formais - único meio aceito pelos acadêmicos da UFJF - , mas também em conversas informais, nas esperas por doutrinárias, ou após o fim das mesmas, em que até dados mais sutis são colhidos por diversos familiares.

Se Chico Xavier não entrevistou eles diretamente, seus colaboradores o fizeram. E muitas informações sutis são trazidas de maneira quase instintiva, há quem não se lembre de as ter colhido, mas assim o fez, naquelas conversas que se tem após as doutrinárias, em que todos estão à vontade para detalhar as coisas, meio "sem querer querendo".

Mas o moralismo religioso permite tudo isso, permite a falsidade ideológica desde que transmita "palavras de amor" e "mensagens fraternais". Tudo isso em cartas produzidas em "velocidade industrial", que só expressam a imaginação do suposto médium. E, se as famílias passam a acreditar que essas cartas são verídicas, isso se torna muito grave.

Isso porque, por trás de tudo isso, existe a promoção da seita "espírita", às custas do sofrimento das famílias, exposto ao público de maneira leviana, oportunista e sensacionalista, prolongando essa tristeza de maneira indefinida, uma vez que tais famílias acabam ficando para sempre expostas a essa humilhação marqueteira feita para lotar "centros espíritas" a pretexto da caridade.

Daí considerarmos todo esse ritual, principalmente diante do desconhecimento total que o "movimento espírita" tem da Ciência Espírita, uma tristeza tão grande quanto perder entes queridos. Nada mais triste do que explorar a tragédia e o sofrimento dos outros, mesmo que use o pretexto da caridade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros têm dificuldade para se despedir de Doca Street

Nosso país é ultraconservador e dotado de estranhos "heróis", que incluem ídolos religiosos, políticos do tempo da ditadura militar, tecnocratas e até machistas de perfil bem moralista, os quais temos medo de perder, como se fossem nossos tios queridos.

Todos morrem, mas os feminicidas são os únicos que "não podem morrer". Eles que mais descuidam da saúde, sofrem pressões morais violentas por todos os lados, fragilizam suas almas alternando raivas explosivas e depressões abatedoras, e nós temos que acreditar que eles são feito ciborgues aos quais nem uma doença incurável consegue abatê-los.

Há 40 anos exatos, um caso de machismo violento aconteceu em Armação de Búzios. O empresário Raul Fernando do Amaral Street, o Doca Street, então com 42 anos, assassinou, com dois tiros, a socialite Ângela Diniz, a "pantera de Minas Gerais", que chegou a fazer uma sessão de moda para a revista A Cigarra, nos anos 60.

O motivo alegado era o da "legítima defesa de …

Padre Quevedo: A farsa de Chico Xavier

Esse instigante livro é leitura obrigatória para quem quer saber das artimanhas de um grande deturpador do Espiritismo francês, e que se promoveu através de farsas "mediúnicas" que demonstram uma série de irregularidades. Publicamos aqui em memória ao parapsicólogo Padre Oscar Quevedo, que morreu hoje, aos 89 anos.

Para quem é amigo da lógica e do bom senso, lerá este texto até o fim, nem que seja preciso imprimi-lo para lê-lo aos poucos. Mas quem está movido por paixões religiosas e ainda sente fascinação obsessiva por Chico Xavier, vai evitar este texto chorando copiosamente ou mordendo os beiços de raiva.

A farsa de Chico Xavier

Por Padre Quevedo

Francisco Cândido Xavier (1910-2002), mais conhecido como “Chico Xavier”, começou a exercer sistematicamente como “médium” espiritista psicógrafo à idade de 17 anos no Centro Espírita de Pedro Leopoldo, sua cidade natal.

# Durante as últimas sete décadas foi sem dúvidas e cada vez mais uma figura muitíssimo famosa. E a mais consider…

Se Chico Xavier fosse progressista, não haveria a ascensão de Jair Bolsonaro

É um dever questionarmos, até com certa severidade, o mito de Francisco Cândido Xavier. Questionar sem ódio, mas também sem medo, sem relativismos e sem complacências, com o rigor de quem não mede palavras para identificar erros, quando estes são muito graves.

Vale lembrar que esse apelo de questionar rigorosamente Chico Xavier não vem de evangélico alucinado nem de qualquer moleque intolerante da Internet - até porque o dito "espiritismo" brasileiro é uma das religiões não só toleradas no país, mas também blindadas pelas classes dominantes que adoram essa "filantropia de fachada" que traz mais adoração ao "médium" do que resultados sociais concretos - , mas da própria obra espírita original.

É só ler Erasto, que recomendava rigor no repúdio e no combate aos deturpadores dos ensinamentos espíritas. E mais: ele lembrava que eventualmente os maus espíritos (ou, no contexto brasileiro, os maus médiuns) trazem "coisas boas" (as ditas "mensagen…

Acontecimentos à "luz" ou à "treva" do "espiritismo" brasileiro

CHACINA OCORREU NUMA ESCOLA DE SUZANO, A ESCOLA ESTADUAL PROF. RAUL BRASIL.

Três ocorrências dramáticas para tirar o sono dos conservadores enrustidos que agora não têm mais tempo para usar o pensamento desejoso para tentar arrumar uma desculpa que relativize o ultraconservadorismo de Francisco Cândido Xavier, popularmente conhecido como Chico Xavier.

Três incidentes, portanto, lhes ocuparão as mentes: a prisão de dois suspeitos de matar a vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes, há cerca de um ano, a chacina ocorrida hoje numa escola em Suzano, no interior paulista, e a invasão de manifestantes do Movimento dos Sem-Terra em uma das fazendas do "médium" João Teixeira de Faria, o João de Deus.

Vamos primeiro ao caso Marielle. Depois de tanta hesitação, a polícia prendeu dois envolvidos no assassinato da vereadora, os ex-policiais Élsio Vieira de Queiroz, motorista de um dos carros na ocasião, e Ronnie Lessa, PM aposentado por invalidez (ficou ferido num atent…

A trajetória do arrivista que queria ser santo em "Não Questiones"

Dedicado a todos os leitores de Cinegnose e aos semiólogos brasileiros em geral

"Não Questiones" é um hipotético filme que mostra as bombas semióticas de F., um jovem de aparência pouco atrativa, com problemas de visão num dos olhos e que lhe dá uma aparência pitoresca, associada a uma mentalidade que sugere esquizofrenia.

F. é um sujeito nascido numa cidade do interior e sua família é de origem humilde. Ainda criança, ele perdeu sua mãe, morta prematuramente por determinada enfermidade. Esquizofrênico, passou a mostrar que conversava aparentemente sozinho, mas depois se observava que ele mantinha conversas com a falecida mãe. O pai, vendo isso, ameaçou internar F. num hospício. Uma madrinha que o criou lhe dava surras constantes por causa do comportamento estranho do rapaz.

O rapaz escrevia poemas de própria mente. Era católico devoto. De repente, ele foi apresentado a um "centro espírita" por uma parente, e, sabendo que o menino falava com o espírito da mãe, um …

Chico Xavier usava "cartas mediúnicas" para forçar o apoio à ditadura militar

Tenho pena de setores das esquerdas, muitíssimo ingênuos, que dão alguma consideração ao reacionário Francisco Cândido Xavier. Através de ideias soltas e sem nexo, mas forçadamente unidas por uma retórica fantasiosa e agradável, imagina-se que Chico Xavier era um ativista social, um militante socialista e um pensador progressista. Grande engano.

Vendo o programa Pinga Fogo, da TV Tupi, de 1971, que revela muitos aspectos ocultos que a imagem adocicada de Chico Xavier - construída pela Rede Globo, com sutileza dramatúrgica, mas baseado na narrativa idealizadora de Malcolm Muggeridge a respeito de Madre Teresa de Calcutá, outra reaça de carteirinha - , conclui-se que ele sempre foi uma figura ultraconservadora.

Apesar de chocante, se Chico Xavier estivesse vivo, ele sem dúvida apoiaria Jair Bolsonaro. Seria um apoio "crítico", mas seria. Muitas personalidades de muita evidência no grande público sinalizaram esse apoio, como Zezé di Camargo. Chico admitiria, sim, atitudes &quo…

O fracasso da "data-limite" e o acovardamento da imprensa

É uma grande palhaçada a tal "profecia da data-limite" de Francisco Cândido Xavier que somente a imprensa que se inclina a algum sensacionalismo consegue levar a sério. A tal "data-limite", que prometia impulsionar o Brasil a uma posição nobre na comunidade das nações, se revelou um grande fiasco, uma gigantesca bobagem, um delírio sem precedentes e altamente vergonhoso.

Para contornar esse fracasso, "espiritualistas" vieram desesperados a "explicar" a tal "data-limite", tentando desmentir o catastrofismo que, na verdade, era sua narrativa original. A ideia de uma "limpeza planetária" que Deus iria exercer, criando catástrofes e inspirando atentados terroristas para exterminar humanos malcriados, que descumprissem o aviso do "sonho de Chico Xavier" para evitar confrontos bélicos num prazo de 50 anos, simplesmente não deu certo.

Primeiro, porque a Guerra Fria, tal como se conhecia em 1969, acabou. Hoje temos um outr…

Chico Xavier, que abençoou João de Deus, fez assédio moral a Humberto de Campos Filho

HUMBERTO DE CAMPOS FILHO SOFREU ASSÉDIO MORAL DE CHICO XAVIER PARA TENTAR ABAFAR NOVOS PROCESSOS JUDICIAIS.

Dizem que nunca Uberaba ficou tão próxima de Abadiânia, embora fossem situadas em Estados diferentes. Na verdade, as duas cidades são relativamente próximas, diferindo apenas na distância que requer cerca de seis horas e meia de viagem. Mas, com o escândalo de João Teixeira de Faria, o João de Deus, até parece que as duas cidades se tornaram vizinhas.

Isso porque o "médium" Francisco Cândido Xavier, popularmente conhecido como Chico Xavier, em que pese a sua reputação oficial de "espírito de luz" e pretenso símbolo de amor e bondade humanas, consentiu, ao abençoar João de Deus, com sua trajetória irregular e seus crimes.

Se realmente fosse o sábio e o intuitivo que tanto dizem ser, Chico Xavier teria se prevenido e iniciado uma desconfiança em torno de João de Deus, até pressentindo seu caráter leviano. Mas Chico nada o fez e permitiu que se abrisse o caminho…

Falsas psicografias de roqueiros: Raul Seixas

Vivo, Raul Seixas era discriminado pelo mercado e pela sociedade moralista. Morto, é glorificado pelos mesmos que o discriminaram. Tantos oportunistas se cercaram diante da imagem do roqueiro morto e fingiram que sempre gostaram dele, usando-o em causa própria.

Em relação ao legado que Raul Seixas deixou, vemos "sertanejos" e axézeiros, além de "pop-roqueiros" de quinta categoria, voltando-se para o cadáver do cantor baiano como urubus voando em cima de carniças. Todo mundo tirando uma casquinha, usurpando, em causa própria, o prestígio e a credibilidade de Raulzito.

No "espiritismo" não seria diferente. Um suposto médium, Nelson Moraes, foi construir uma "psicografia" de Raul Seixas usando o pseudônimo de Zílio, no caso de haver algum problema na Justiça, através de uma imagem estereotipada do roqueiro.

Assim, Nelson Moraes, juntando sua formação religiosista, um "espiritismo" que sabemos é mais católico do que espírita, baseou-se no…

Herói dos "espíritas", Sérgio Moro é desmascarado

Elogiado pelo "movimento espírita" e, em declarações pessoais, por Divaldo Franco e João Teixeira de Faria, o João de Deus - provavelmente, Francisco Cândido Xavier (Chico Xavier) também teria elogiado - , o ex-juiz e hoje ministro da Justiça do governo Jair Bolsonaro, Sérgio Moro, foi desmascarado ontem no escândalo das fraudes da Operação Lava Jato.

Moro também era considerado um símbolo da luta "contra a corrupção", que motivou as elites brasileiras a realizar estranhas passeatas - patrocinadas por diversas empresas, como se descobriu depois - vestindo as camisas da corrupta Confederação Brasileira de Futebol (CBF), as "camisas verde-amarelas da Seleção". O "movimento espírita" chegou a atribuir a essas passeatas - a "marcha" dos "coxinhas" ou "manifestoches" - como começo da Regeneração da Humanidade.

O jornalista estadunidense Glenn Greenwald, radicado no Brasil, recebeu de uma fonte anônima um farto material …