Pular para o conteúdo principal

Por que as forças progressistas mantém o "espiritismo" brasileiro intocável?

DOM ODILO SCHERER, SILAS MALAFAIA E DIVALDO FRANCO - O último é mais blindado que político do PSDB. Nem as esquerdas mexem nele.

A mídia progressista, que tem a missão de servir de contraponto à mídia hegemônica e patronal, até tem muitos avanços na investigação e na garimpagem de informações. Apontam os lados sombrios do chamado mainstream da política, da mídia e da imprensa, além dos meios empresariais e tecnocratas associados e de pessoas comuns ou quase isso também solidárias ao meio.

No ramo da religião, capricham nos questionamentos aprofundados em relação às chamadas igrejas evangélicas, de seitas conhecidas como "neopentecostais", como a Igreja Universal do Reino de Deus, a Assembleia de Deus e Igreja Internacional da Graça de Deus. Figuras como Edir Macedo, Silas Malafaia, Marco Feliciano e outros são alvos de investigação ou questionamentos. Em certos momentos, católicos também são alvo de questionamentos e investigações.

Mas quando o caso são os "espíritas", reina um silêncio sepulcral. Por que será? Medo dos mortos assombrarem as redações esquerdistas? Ou seria uma certa complacência com os chamados "médiuns", que adotam um discurso adocicado e têm a boca encharcada de mel, e cuja imagem de propaganda é associada a cenários maravilhosos como paisagens floridas, céu azul e crianças sorrindo e brincando.

O "espiritismo" brasileiro é uma religião ultraconservadora. Abandonou as lições de Allan Kardec em prol de uma recuperação de dogmas e princípios que vigoraram no Brasil colonial através dos católicos jesuítas, e isso é tão certo que um antigo padre jesuíta, Manuel da Nóbrega, foi evocado por um devoto católico adotado pelos "espíritas".

Atualmente os "espíritas" estão fazendo apologia ao sofrimento. Defenderam um golpe político em 2016, apoiam a Operação Lava Jato, o Movimento Brasil Livre, e as reformas trabalhista e previdenciária. Fazem mil pregações pedindo aos sofredores aguentarem tudo calados, sem queixumes, conformados e orando em silêncio.

O "espiritismo" brasileiro tornou-se uma versão mais modesta da Cientologia. Lá fora, a Cientologia - que tem os mesmos devaneios esotéricos dos "espíritas" e só diferem destes pelo excesso de ritos e outras frescuras - é investigada pela imprensa e existem documentários mostrando irregularidades e denúncias, mesmo sob o risco de causar polêmicas e escândalos.

E o "espiritismo"? As únicas reportagens "investigativas" são meramente descritivas: se limitam a mostrar a realidade aparente dos "centros espíritas" e como as famílias se comportam diante de mensagens "mediúnicas" atribuídas a entes queridos mortos. Nenhum questionamento, somente descrição.

O que está por trás desses espetáculos? E as psicografias são realmente autênticas? Como ver autenticidade em psicografias cujas caligrafias e outros aspectos pessoais destoam do legado que os mortos deixaram enquanto estavam vivos? E a caridade? É pretexto para a promoção pessoal dos "médiuns"? Ocorrem lavagem de dinheiro? As crianças sofrem maus tratos? Não há outra forma de captação de dinheiro, diante da aparente gratuidade das atividades "espíritas"?

No caso da "farinata", um grande problema serviria de uma boa pauta para a imprensa progressista. Divaldo Franco decidiu, com a edição paulista do Você e a Paz, homenagear o prefeito de São Paulo, figura já considerada decadente, em queda de popularidade, envolvido em incidentes como as mortes no trânsito após o programa Acelera São Paulo, acordar moradores de rua com jatos de água, e reprimir com truculência usuários de crack.

Em seguida, Divaldo permitiu que Dória Jr. lançasse um composto alimentar que, já na época desse evento, era previamente condenado por nutricionistas, entidades de saúde pública e movimentos sociais. Com a ironia de Divaldo ser considerado "humanista", a "farinata" foi considerada por ativistas sociais como um "acinte à dignidade humana".

A participação de Divaldo produziu problemas sérios. Sua falta de firmeza permitiu que a "farinata" fosse lançada, com Dória mostrando a camiseta com o logotipo do evento e o nome do "médium", um recurso que a Publicidade e Propaganda define como "vínculo de imagem". Como um atleta mostrando o logotipo de uma marca que patrocina um time. A camiseta de Dória não deve ser vista como as camisas de bandas de rock exibidas pelos fãs.

E a imprensa progressista, com essa pauta toda, o que fez? Nada. Quando muito, as páginas de fóruns mostram internautas manifestando "muita tristeza" ao ver Divaldo associado a essa farsa. Como se tivessem sido pegos de surpresa. Dória exibindo a camiseta e a imprensa progressista não observou coisa alguma. O único religioso alvo de questionamentos foi o arcebispo de São Paulo, o católico Dom Odilo Scherer.

Divaldo apareceu até na página de Dória no Twitter, posou para fotos e tudo, apareceu até olhando de frente e tudo o mais. Algumas fotos destacaram a camiseta com o nome de Divaldo e o logotipo do Você e a Paz impressos, e, mesmo assim, nada.

Que a Globo, Folha, Estadão ou Veja não investiguem, tudo bem. São veículos que blindam os "médiuns espíritas", que servem a interesses sociais estratégicos para os grandes empresários de mídia. Mas ver a imprensa progressista calada, talvez seduzida pelo jeito melífluo de Divaldo Franco, resignada porque ele "pelo menos" não investe em discurso de ódio, é constrangedor.

Por que isso acontece? Porque o "espiritismo", talvez por seu aparato "pacifista", "modesto" e "amoroso", desestimula os outros a investigar seus aspectos sombrios. Esquecem os esquerdistas que os próprios neopentecostais - apesar de mais antiga, a Assembleia de Deus se insere neste contexto por adotar os apelos midiáticos atuais - também tiveram sua fase melíflua, embora já mostrassem atos duvidosos como a cobrança de doações em dinheiro nos cultos.

E os "espíritas", será que tudo o que eles oferecem é realmente de graça? Só falta oferecerem injeção fluidificada na testa. Mas a realidade não é assim. Não existe almoço grátis e, se vemos senhoras de idade, em "centros espíritas", eufóricas demais porque aumentaram os donativos em dinheiro, mantimentos e outras doações, não é porque tudo vai para os necessitados. Há brechós e mercadinhos que servem a certos palestrantes "espíritas" e que vão revender tudo isso.

Cabe as forças progressistas começarem a questionar os "espíritas", que também vão contra as pautas típicas das forças de esquerda, como a condenação total ao aborto, mesmo em casos de risco à saúde e estupro. Para os "espíritas", melhor a vítima de estupro negociar a paternidade com o estuprador e talvez até decidir se casar com ele, conforme a "Lei de Causa e Efeito". E vale lembrar que, neste item, "espíritas" e neopentecostais andam de mãos bem dadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros têm dificuldade para se despedir de Doca Street

Nosso país é ultraconservador e dotado de estranhos "heróis", que incluem ídolos religiosos, políticos do tempo da ditadura militar, tecnocratas e até machistas de perfil bem moralista, os quais temos medo de perder, como se fossem nossos tios queridos.

Todos morrem, mas os feminicidas são os únicos que "não podem morrer". Eles que mais descuidam da saúde, sofrem pressões morais violentas por todos os lados, fragilizam suas almas alternando raivas explosivas e depressões abatedoras, e nós temos que acreditar que eles são feito ciborgues aos quais nem uma doença incurável consegue abatê-los.

Há 40 anos exatos, um caso de machismo violento aconteceu em Armação de Búzios. O empresário Raul Fernando do Amaral Street, o Doca Street, então com 42 anos, assassinou, com dois tiros, a socialite Ângela Diniz, a "pantera de Minas Gerais", que chegou a fazer uma sessão de moda para a revista A Cigarra, nos anos 60.

O motivo alegado era o da "legítima defesa de …

Imagem "bondosa" de Chico Xavier foi inventada pela mídia para salvar ditadura militar

CHICO XAVIER TAMBÉM FOI ASTRO DA REDE GLOBO.

Todos estão acostumados com a imagem de Francisco Cândido Xavier associada a flores, passarinhos, criancinhas, céu de brigadeiro e coraçõezinhos fofinhos. Ele virou uma espécie de "fada-madrinha" para gente grande no mundo real, e tornou-se o único brasileiro o qual a fantasia prevalece sobre a realidade, sendo blindado com mil relativismos diante de toda revelação realista que comprometer essa dócil e confortável reputação.

No entanto, o mito de Chico Xavier como "símbolo de amor e paz" é falso, e foi uma criação da grande mídia, no final da década de 1970, para não só promover um ídolo religioso que sirva de cortina de fumaça para a revolta social contra a ditadura militar, como para forjar um suposto ativista que não comprometesse os privilégios sociais das elites e que pudesse, também, salvar e proteger a ditadura militar através de um pretenso militante social ao agrado da sociedade conservadora.

Que Chico Xavier já…

Caso João de Deus é apenas a ponta do iceberg de escândalos ainda piores

A FAMIGLIA "ESPÍRITA" UNIDA.
Hoje o "médium" e latifundiário João Teixeira de Faria, o João de Deus, se entregou à polícia de Goiás, a pedido do Ministério Público local e da Polícia Civil. Ele é acusado de assediar sexualmente mais de 300 mulheres e de ocultar um patrimônio financeiro que o faz um dos homens mais ricos do Estado. João nega as acusações de assédio, mas provas indicam que eles ocorreram desde 1983.
Embora os adeptos do "espiritismo" brasileiro façam o possível para minimizar o caso, ele é, certamente, a ponta do iceberg de escândalos ainda piores que podem acontecer, que farão, entre outras coisas, descobrir as fraudes em torno de atividades supostamente mediúnicas, que, embora com fortes indícios de irregularidades, são oficialmente legitimadas por parecerem "agradáveis" e "edificantes" para o leitor brasileiro médio.
O caso João de Deus é apenas o começo, embora ele não tenha sido o único escândalo. Outros escândalos …

Padre Quevedo: A farsa de Chico Xavier

Esse instigante livro é leitura obrigatória para quem quer saber das artimanhas de um grande deturpador do Espiritismo francês, e que se promoveu através de farsas "mediúnicas" que demonstram uma série de irregularidades. Publicamos aqui em memória ao parapsicólogo Padre Oscar Quevedo, que morreu hoje, aos 89 anos.

Para quem é amigo da lógica e do bom senso, lerá este texto até o fim, nem que seja preciso imprimi-lo para lê-lo aos poucos. Mas quem está movido por paixões religiosas e ainda sente fascinação obsessiva por Chico Xavier, vai evitar este texto chorando copiosamente ou mordendo os beiços de raiva.

A farsa de Chico Xavier

Por Padre Quevedo

Francisco Cândido Xavier (1910-2002), mais conhecido como “Chico Xavier”, começou a exercer sistematicamente como “médium” espiritista psicógrafo à idade de 17 anos no Centro Espírita de Pedro Leopoldo, sua cidade natal.

# Durante as últimas sete décadas foi sem dúvidas e cada vez mais uma figura muitíssimo famosa. E a mais consider…

"Espíritas" anunciaram inauguração da "Pátria do Evangelho" na ascensão de Jair Bolsonaro

A edição do "Correio Espírita", periódico fluminense, de agosto de 2017, anuncia o surgimento da "Pátria do Evangelho", como se já inaugurasse uma fase de suposto progresso humanitário sonhada pelo "médium" Francisco Cândido Xavier.

Todavia, sabemos que foi nessa época que começava a se projetar, aos poucos, a ascensão política de Jair Bolsonaro, lembrando a entrada no auge de Chico Xavier, durante a ditadura militar. Não que Chico ou Jair tivessem surgido nessas épocas respectivas, mas antes delas os dois não passavam de exóticos arrivistas envolvidos em muita confusão e controvérsia.

Assim como foi a partir de meados da década de 1970 que começou-se a trabalhar o mito de pretenso filantropo de Chico Xavier, tomando emprestado o roteiro de Malcolm Muggeridge feito para Madre Teresa de Calcutá, o mito de Jair Bolsonaro se ascendeu dentro do radicalismo do conservadorismo social que já havia colocado Michel Temer no poder, um ano antes.

Chico e Jair se as…

Foi a Editora Abril homenagear Chico Xavier e seus funcionários foram para a rua

CHICO XAVIER, PAULO GUEDES, JAIR BOLSONARO, FAMÍLIA CIVITA E O EMPRESÁRIO FÁBIO CARVALHO, DO BTG PACTUAL - Todos juntos.

"Boas" energias. Foi só a Editora Abril, através da publicação Superinteressante, publicar uma edição especial com o "médium" Francisco Cândido Xavier, para seu grupo empresarial entrar em falência. Mas, como em toda energia trazida pelo "espiritismo" deturpado que fugiu dos ensinamentos franceses, a corda arrebentou no lado mais fraco.

Centenas de funcionários do grupo, sediado em São Paulo, foram demitidos nos últimos anos. Só em agosto de 2018 foram 800. E os salários que restavam a pagá-los foram atrasados, constituindo num calote movido pela empresa, então controlada por Giancarlo Civita, conhecido como "Gianca", e Victor Civita Neto, que venderam a empresa para Fábio Carvalho, do banco BTG Pactual, mediante uma dívida de R$ 1,6 bilhão a ser negociada através de uma recuperação judicial.

Essa recuperação envolverá novas d…

Chico Xavier causou prejuízos ao Brasil

Francisco Cândido Xavier prejudicou o país, deturpando a Doutrina Espírita e se valendo de seu prestígio para cometer fraudes e explorar a emotividade das famílias sofridas, alimentando impunemente seu mito que favorece o poderio de uma seita religiosa marcada por sua desonestidade.

Essa desonestidade se observa em tudo que a Federação "Espírita" Brasileira fez "em prol do Espiritismo", na verdade uma sucessão de fraudes grotescas e de traições cruéis à doutrina de Allan Kardec, que, diz uma piada bastante pesada, só aproveita, do Controle Universal do Ensino dos Espíritos, as duas primeiras letras de sua sigla.

Sim, é uma piada bastante agressiva, mas é ilustrativa. Afinal, o "espiritismo" brasileiro aproveitava do lixo rejeitado por Allan Kardec, do que era despejado e estava de acordo com o Catolicismo medieval que os "espíritas" juram de joelhos sentirem severo repúdio, mas do qual aproveitam sua essência trazida pela herança jesuíta do Bra…

Chico Xavier, que abençoou João de Deus, fez assédio moral a Humberto de Campos Filho

HUMBERTO DE CAMPOS FILHO SOFREU ASSÉDIO MORAL DE CHICO XAVIER PARA TENTAR ABAFAR NOVOS PROCESSOS JUDICIAIS.

Dizem que nunca Uberaba ficou tão próxima de Abadiânia, embora fossem situadas em Estados diferentes. Na verdade, as duas cidades são relativamente próximas, diferindo apenas na distância que requer cerca de seis horas e meia de viagem. Mas, com o escândalo de João Teixeira de Faria, o João de Deus, até parece que as duas cidades se tornaram vizinhas.

Isso porque o "médium" Francisco Cândido Xavier, popularmente conhecido como Chico Xavier, em que pese a sua reputação oficial de "espírito de luz" e pretenso símbolo de amor e bondade humanas, consentiu, ao abençoar João de Deus, com sua trajetória irregular e seus crimes.

Se realmente fosse o sábio e o intuitivo que tanto dizem ser, Chico Xavier teria se prevenido e iniciado uma desconfiança em torno de João de Deus, até pressentindo seu caráter leviano. Mas Chico nada o fez e permitiu que se abrisse o caminho…

"Superioridade espiritual" de Chico Xavier e Divaldo Franco é uma farsa

Muito se fala da suposta superioridade espiritual de Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, que seus seguidores definem como "espíritos puros" e dotados da mais extrema elevação moral dentro do "movimento espírita" brasileiro.

São muitos relatos, argumentos, evocações, tudo o mais para tentar afirmar que os dois são as pessoas que mais chegaram ao máximo da evolução espiritual, talvez até mais do que Jesus Cristo, segundo alguns, até pelo fato de terem chegado à velhice (Chico Xavier faleceu há 13 anos).

Só que essa visão nada tem a ver com a realidade. Sabendo que o "movimento espírita" brasileiro se desenvolveu às custas de mitificações, mistificações e fraudes diversas, é também notório que Chico Xavier e Divaldo Franco também participaram, com gosto, em muitas falcatruas cometidas pelo "espiritismo" brasileiro.

Eles erraram, e erraram muitíssimo. Usaram o prestígio que acumularam ao longo dos anos para legitimar e popularizar mi…

Atriz de 'As Patricinhas de Beverly Hills' passa Chico Xavier para trás

BRITTANY MURPHY NOS PRIMÓRDIOS E NO FINAL DA CARREIRA.

Recentemente, foram celebrados os 20 anos da comédia juvenil As Patricinhas de Beverly Hills, que a cineasta Amy Heckerling dirigiu e adaptou, para os anos 90, o enredo da obra literária Emma (1815), de Jane Austen (1775-1817).

Uma das "patricinhas", a personagem nerd Tai Frasier, foi interpretada pela saudosa Brittany Murphy (1977-2009), brilhante atriz, produtora e cantora que só faleceu aos 32 anos por alguma causa misteriosa, mas sempre relacionada ao infeliz casamento com o produtor inglês Simon Monjack (1970-2010), que provavelmente teria sido mulherengo, caloteiro e viciado em drogas.

Pois é muito curioso que Brittany Murphy é mais admirável que Chico Xavier, apesar das relações entre mito e realidade colocassem a alegre, simpática, sensível e talentosa Britt numa situação bastante desfavorável.

Brittany teve um pai, Ângelo Joseph Bertolotti, o A. J., que abandonou a mulher - Sharon Murphy, mãe da atriz - , chegou…