Pular para o conteúdo principal

Mídia brasileira continua depreciando a mulher solteira


A mídia do entretenimento brasileira é famosa por glamourizar preconceitos sociais. Pobres, negros, mulheres, crianças, quem não representar o paradigma do macho, mais velho, branco, rico e poderoso acaba sendo manipulado pela mídia de forma que, em certos casos, abordagens pejorativas sejam promovidas como se fossem "qualidades positivas".

A mulher solteira é também vítima dessa manipulação midiática, comandada pela Rede Globo mas exercida também por suas concorrentes. E mais uma vez a apelação atinge as solteiras através da música "Tô Solteira de Novo", "continuação" do antigo sucesso da funkeira Valesca Popozuda, intitulado "Agora Eu Tô Solteira".

Alguém em sã consciência vai parar para pensar e constatar que uma solteira de verdade não se preocuparia em fazer "músicas de solteira". Isso não existe. No Primeiro Mundo, a mulher que se considera "solteira e feliz" não fica alardeando isso, ela fica falando de outros assuntos, sem ficar a todo momento falando em sensualidade ou sexo.

Valesca é das últimas "musas populares" que, após o fim do portal Ego - reduto do sensualismo obsessivo das "musas populares", que não raro beirava ao mau gosto gratuito - , vende uma imagem caricatural e forçada da "mulher solteira", se valendo sempre dos mesmos bordões que causam muita suspeita por serem sempre o mesmo texto.

São esses bordões: "Estou solteiríssima", "os homens fogem de medo de mim", "estou à procura de um príncipe encantado" e outras frases parecidas. Desde o sucesso do É O Tchan, ouvimos ou lemos diferentes mulheres dizendo a mesmíssima coisa, como se fosse um texto decorado.

Essas "musas" sempre estão a serviço de uma visão caricatural da mulher solteira no Brasil, voltada a uma sensualidade obsessiva, uma curtição compulsiva, um hedonismo extremamente forçado. É como se, sutilmente, a mídia trabalhasse a mulher solteira como uma desocupada que só fica preocupada em frequentar noitadas, ir à praia ou exibir suas "generosas formas corporais", geralmente com glúteos e bustos siliconados, piercing no umbigo e alguma tatuagem.

Valesca tenta, agora, promover uma imagem de "líder feminista" e está fazendo tratamento de redução de glúteos. Isso não adianta muito, porque ela sempre trabalhou uma "sensualidade" que está de acordo com os padrões machistas de mulher-objeto.

HIGIENISMO

Essa imagem extremamente caricata da mulher solteira tem dois propósitos, de caráter higienista e até mesmo eugenista. Um é desestimular, nas mulheres pobres, a busca de uma vida amorosa estável, evitando a união de homens e mulheres afins nas classes populares, impedindo a solidariedade conjugal e familiar que possa refletir na união comunitária e na ampliação dos movimentos populares.

Desta forma, crianças nascem sem a ideia da união conjugal do pai e da mãe. A figura paterna, associada a ações de enfrentamento e coragem - não que a figura da mãe não se associe também a ações deste nível, mas os contextos são outros - , é praticamente ausente ou, na melhor das hipóteses, distante e eventual, o que faz com que os meninos tenham dificuldade de aprender o que um homem adulto faz para vencer na vida.

Em comunidades ainda dominadas por valores retrógrados, como são as favelas e os subúrbios, herança da opressão coronelista de muitas pessoas vindas das zonas rurais para as cidades, novidades como a causa LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) são indigestas, ainda mais quando as religiões evangélicas, hostis a essa novidade, dominam o imaginário religioso do povo pobre.

A imagem "descontraída" e "livre" da "solteira que não tem medo de se divertir" e, a pretexto de expressar a "liberdade do corpo", exibe seu físico exagerado por uma demanda de machos, que lotam plateias, compram revistas e dão mais audiência à TV e à Internet por conta da "boazuda do momento", é feita para impedir que moças jovens pobres, que veem nas "musas" um ideal de ascensão social, se preocupem em se casarem e formarem famílias.

Isso faz com que a higienização social ocorra nos dois lados. Um, evitando que nasçam mais filhos nas classes populares, sobretudo negros, índios e mestiços. Outro é que, se caso as solteiras tiverem uma vida sexual descontrolada, a alta natividade de crianças é "compensada" pelos abusos da violência policial ou marginal, que dizimam tantos pobres inocentes, sem poupar crianças.

A ideia é estabelecer, a médio ou longo prazo, um "enxugamento" da população pobre, negra, índia ou mestiça, diminuindo a natividade. Através de uma "cultura" popularesca, difundida pelas redes de televisão, mostra mulheres de origem mestiça adotando uma postura caricatural da mulher hipersexualizada, e ídolos musicais com canções que falam de conflitos amorosos que soam como hipnoses para um público que também ouve tais músicas nas rádios FM regionais.

Por outro lado, nas classes mais abastadas, o processo é o inverso. Estimula-se o casamento à mulher de considerável instrução e que, embora dotada de beleza atrativa e formosura corporal, não se preocupa em vender a imagem de sexy o tempo inteiro. Ela pode até posar em fotos sensuais de vez em quando ou usar roupas sensuais, ainda que sem exageros, mas de vez em quando ela pode abrir mão da sensualidade e se ocupar em outras atividades.

Ainda que essa mulher, ao se casar, geralmente com um homem mais velho e que ocupa uma posição de comando ou liderança, leve uma vida de "solteira" - pelo menos comparecendo à maior parte dos eventos sem que o marido apareça ou tenha, ao menos, sua presença registrada em fotos - , o vínculo dela com seu cônjuge é um fator que o sistema de valores dominante no Brasil se empenha em manter estável e permanente.

Esta mulher se sente desencorajada a ficar solteira, ao ver que o paradigma da solteira vigente no Brasil é o da ociosa "sensual", a desocupada que só frequenta noitadas, usa tatuagem, exibe demais o corpo e não demonstra grandes qualidades intelectuais. No gosto musical, a "solteira" está associada às piores músicas que ouve através de rádios "populares" controladas por oligarquias empresariais locais.

Isso desestimula a mulher de perfil mais diferenciado de viver uma vida de solteira. A imagem de vulgaridade a constrange, fazendo com que a mulher diferenciada tenha que se apressar na vida amorosa, acolhendo o primeiro homem "mais influente" que aparece em seu caminho.

Essa tendência revela o quanto o feminismo, no Brasil, ainda tem que negociar com o machismo para ter algum espaço. Contraditoriamente, o machismo "aconselha" as mulheres emancipadas a se casarem, se vinculando à imagem masculina do "provedor", enquanto libera as mulheres que fazem o papel de "objetos sexuais" para ficarem sozinhas até não se sabe quando.

É como se o machismo tivesse que controlar os impulsos da mulher de se livrar do jugo machista. O machismo age para controlar a emancipação feminina, impondo a figura do marido poderoso, como se a mulher emancipada tivesse que ser domada pela figura machista do "provedor".

Por outro lado, as mulheres que fazem o papel de "brinquedos sexuais", mesmo quando se autoproclamam, tendenciosamente, "feministas" - algo feito, sobretudo, para agradar acadêmicos e ativistas culturais - , obedecem "por contra própria" as diretrizes machistas, sendo dispensadas da figura "reguladora" do marido.

No sentido da geração de filhos, nas classes abastadas se estimula a figura da família conjugal estável, do casamento que dura anos, mesmo que seja sem amor nem afinidades pessoais. A figura da mulher atraente por sua inteligência, charmosa e discreta, é associada ao marido poderoso (geralmente um empresário ou profissional liberal, tipo médico, economista e advogado), às vezes bem mais velho e mais sisudo, é feita também para permitir a formação social estável dos filhos.

Claro que também há problemas. Nas classes pobres, os filhos sentem uma forte tristeza ao verem outros casais de pais e mães com seus filhos, e, comparando com estes, se sentem "órfãos de pais vivos", a só ter o convívio paternal "de vez em quando" e, geralmente, com a companhia de outra mulher, não havendo o prazer das crianças pobres em ver seus pais biológicos unidos.

Já nas classes mais abastadas, os problemas são outros. Casais sem afinidade, mas forçadamente estáveis, transtornam os filhos de outra maneira. Embora eles estejam em situação confortável de viverem sob o casamento estável de seus genitores, eles percebem a falta de cumplicidade, não raro vendo a "solidão a dois" do casal, sobretudo quando a mãe se reúne com as amigas para falar mal do marido e este, com seus amigos, reclamar também da esposa.

Ser mãe solteira é mais complicado nas classes pobres do que nas classes abastadas, por razões óbvias. Mas há um elemento extra: a surreal situação de que casais afins, nas classes pobres, se dissolvem com muito mais facilidade que os casais abastados sem afinidade, que, quando se separam, enfrentam divórcios caríssimos e deixem perplexos amigos, sócios e colegas de trabalho.

Numa época em que os retrocessos sociais são retomados com toda a força, uma "saudável" abordagem da mulher solteira pela mídia do entretenimento esconde um processo muito perverso de higienização social, pois há a sutil preocupação de evitar que populações negras, índias e mestiças gerem mais descendentes, enquanto a população branca é estimulada a gerar filhos em relações estáveis e com formação social menos problemática.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Superioridade espiritual" de Chico Xavier e Divaldo Franco é uma farsa

Muito se fala da suposta superioridade espiritual de Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, que seus seguidores definem como "espíritos puros" e dotados da mais extrema elevação moral dentro do "movimento espírita" brasileiro.

São muitos relatos, argumentos, evocações, tudo o mais para tentar afirmar que os dois são as pessoas que mais chegaram ao máximo da evolução espiritual, talvez até mais do que Jesus Cristo, segundo alguns, até pelo fato de terem chegado à velhice (Chico Xavier faleceu há 13 anos).

Só que essa visão nada tem a ver com a realidade. Sabendo que o "movimento espírita" brasileiro se desenvolveu às custas de mitificações, mistificações e fraudes diversas, é também notório que Chico Xavier e Divaldo Franco também participaram, com gosto, em muitas falcatruas cometidas pelo "espiritismo" brasileiro.

Eles erraram, e erraram muitíssimo. Usaram o prestígio que acumularam ao longo dos anos para legitimar e popularizar mi…

Brasileiros têm dificuldade para se despedir de Doca Street

Nosso país é ultraconservador e dotado de estranhos "heróis", que incluem ídolos religiosos, políticos do tempo da ditadura militar, tecnocratas e até machistas de perfil bem moralista, os quais temos medo de perder, como se fossem nossos tios queridos.

Todos morrem, mas os feminicidas são os únicos que "não podem morrer". Eles que mais descuidam da saúde, sofrem pressões morais violentas por todos os lados, fragilizam suas almas alternando raivas explosivas e depressões abatedoras, e nós temos que acreditar que eles são feito ciborgues aos quais nem uma doença incurável consegue abatê-los.

Há 40 anos exatos, um caso de machismo violento aconteceu em Armação de Búzios. O empresário Raul Fernando do Amaral Street, o Doca Street, então com 42 anos, assassinou, com dois tiros, a socialite Ângela Diniz, a "pantera de Minas Gerais", que chegou a fazer uma sessão de moda para a revista A Cigarra, nos anos 60.

O motivo alegado era o da "legítima defesa de …

"Espiritismo" virou reaça?

MEMBROS DO MOVIMENTO BRASIL LIVRE - "Crianças-índigo" ou "coxinhas"?

Deu tanto no "Correio Espírita" quanto no novo livro de Robson Pinheiro, o "médium" escritor do momento. Citando os movimentos de 13 de março de 2016, auge das manifestações "Fora Dilma", o "movimento espírita" classifica esses movimentos como "libertação" e suposto indício de que a Terra começou seu "processo de regeneração".

Vejam que ridículo, Vamos para o livro de Robson Pinheiro. Intitulado O Partido (palavra que tem as letras P e T, o que faz trocadilho com o PT), e tendo como subtítulo Projeto Criminoso de Poder, o livro é uma risível ficção travestida de "psicografia" atribuído a um suposto espírito de nome Ângelo Inácio.

Nele há um maniqueísmo simplório e um enredo digno de estorinha de super-herói ruim. Algo como um rascunho de um enredo de Dragon Ball-Z não aproveitado antes e jogado no lixo. Um crítico da deturpação …

"Espiritismo" tenta se promover com polêmica

O "movimento espírita" às vezes se comporta como no show business. Se alimenta de escândalos e polêmicas trazidas por supostas ideias que não correspondem às suas intenções originais, mas que lhes favorecem de alguma forma, dando-lhe publicidade e visibilidade.

É como se vê nos astros pop. Eles cometem deslizes de comportamento que não correspondem às intenções originais de seus empresários e da mídia em geral. Ou então se envolvem a fatos ou ideias que nada têm a ver com o que eles originalmente propuseram. Mesmo assim, os envolvidos acham tudo isso ótimo porque garantem sucesso e fama permanentes.

É o que se nota no caso do "novo Emmanuel". O "escolhido", o jovem Guilherme Romano, é paulista da capital (a gente diz da cidade de São Paulo porque, apesar de redundante, facilita as buscas do Google) e é considerado a reencarnação do famoso jesuíta, apesar de negar firmemente essa ocasião.


Vamos contar duas histórias, uma correspondente ao que deu origem a…

O gravíssimo apoio de Divaldo Franco a uma iniciativa desumana

O "espiritismo" brasileiro pode estar envolvido em mais um episódio extremamente vergonhoso, deplorável e simplesmente constrangedor. É o apoio, através do "médium" Divaldo Franco, de um engodo alimentar lançado pelo prefeito de São Paulo, João Dória Jr., um político que demonstra estar em um sério processo de decadência.

Pode parecer chocante, porque aparentemente apenas católicos, como o arcebispo de São Paulo, cardeal dom Odilo Scherer, e setores das igrejas evangélicas são reconhecidos pela opinião pública dominante como apoiadores da "farinata" ou "granulado nutricional", também conhecido como "Allimento", produto da Plataforma Sinergia feito a partir de processamento industrial de restos de comida de procedências duvidosas e qualidade nutricional mais duvidosa ainda.

A Plataforma Sinergia é uma entidade "sem fins lucrativos" comandada por uma ex-empresária da Monsanto (fabricante de agrotóxicos e alimentos transgênicos…

Chico Xavier causou prejuízos ao Brasil

Francisco Cândido Xavier prejudicou o país, deturpando a Doutrina Espírita e se valendo de seu prestígio para cometer fraudes e explorar a emotividade das famílias sofridas, alimentando impunemente seu mito que favorece o poderio de uma seita religiosa marcada por sua desonestidade.

Essa desonestidade se observa em tudo que a Federação "Espírita" Brasileira fez "em prol do Espiritismo", na verdade uma sucessão de fraudes grotescas e de traições cruéis à doutrina de Allan Kardec, que, diz uma piada bastante pesada, só aproveita, do Controle Universal do Ensino dos Espíritos, as duas primeiras letras de sua sigla.

Sim, é uma piada bastante agressiva, mas é ilustrativa. Afinal, o "espiritismo" brasileiro aproveitava do lixo rejeitado por Allan Kardec, do que era despejado e estava de acordo com o Catolicismo medieval que os "espíritas" juram de joelhos sentirem severo repúdio, mas do qual aproveitam sua essência trazida pela herança jesuíta do Bra…

Divaldo Franco deixou a máscara cair com comentários reacionários

A "casa espírita" está caindo. A ação dos "místicos" e adeptos de Jean-Baptiste Roustaing, que vestiram, durante quatro décadas, a capa do "kardecismo autêntico" que se tornou a "fase dúbia" do "movimento espírita", aquela que bajulava o legado espírita original mas praticava o igrejismo mais medieval, mostrou a que veio com posturas reacionárias ditas pelo "médium" baiano Divaldo Pereira Franco.

No "congresso espírita" de Goiás, no último dia 13 de fevereiro, durante uma entrevista coletiva com Haroldo Dutra Dias e a plateia, Divaldo Franco deixou de lado aquele tom melífluo de suas palestras e mostrou o charlatão que era, revelando seu lado ranzinza que estava oculto nas suas poses forçadamente sorridentes e mansas.

Divaldo, que estava perto de ser a unanimidade absoluta pela ilusão e pela fábrica de consenso que se plantou ao redor de sua pessoa, passou a fazer comentários grosseiros, admitindo, em certo momento…

Conheça as lideranças do "espiritismo" roustanguista brasileiro

CHICO E DIVALDO - OS SACERDOTES DA "VATICANIZAÇÃO" DO ESPIRITISMO.

JEAN BAPTISTE ROUSTAING - O advogado de Bordéus, de formação católica, verdadeiro codificador do "Espiritismo" brasileiro. Claramente não são as ideias de Allan Kardec que integra o repertório dogmático daquilo que se faz no Brasil. Mas como Roustaing foi uma figura misteriosa, sem carisma, os brasileiros acharam melhor pegar o carisma de Kardec e misturar com as ideias de Roustaing, dando a entender que as ideias de Os Quatro Evangelhos estão contidas nas obras da codificação kardeciana.

FEDERAÇÃO ESPIRITA BRASILEIRA - Fundada por dissidentes católicos que acreditavam em reencarnação e na comunicação dos mortos, a FEB sempre foi roustainguista. Este fato está incluído no estatuto que itegra o regimento interno da instituição. O nome e as referências a Allan Kardec se limitaram a mera propaganda, cartório de legitimação e simples objeto de bajulação. Muitos pontos estabelecidos na codificação foram …

Filantropia de Chico Xavier não passou de jogada marqueteira da Rede Globo

Sabe-se que Francisco Cândido Xavier tem uma trajetória muito mais cheia de confusões e escândalos do que qualquer esboço de coerência e consistência. Só que ele é adorado, até de maneira ferrenha e fundamentalista, porque ele é "bonzinho".

As pessoas falam tanto na sua "bondade e humildade", elas que não conseguem ser boas e humildes por conta própria. Além do mais, que bondade Chico Xavier realmente fez? As "afirmações" são muito vagas, superficiais e subjetivas, não têm qualquer tipo de embasamento.

O que poucos se lembram é que a "bondade e humildade" de Chico Xavier não passa de um truque publicitário montado pela Rede Globo de Televisão, à semelhança do que o jornalista britânico Malcolm Muggeridge, da BBC, fez com Madre Teresa de Calcutá, no documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), de 1969.

MALCOLM MUGGERIDGE "INVENTOU" O MITO "FILANTRÓPICO" DE MADRE TERESA.

A Madre Teresa, na verdade a freira …

Por que as forças progressistas mantém o "espiritismo" brasileiro intocável?

DOM ODILO SCHERER, SILAS MALAFAIA E DIVALDO FRANCO - O último é mais blindado que político do PSDB. Nem as esquerdas mexem nele.

A mídia progressista, que tem a missão de servir de contraponto à mídia hegemônica e patronal, até tem muitos avanços na investigação e na garimpagem de informações. Apontam os lados sombrios do chamado mainstream da política, da mídia e da imprensa, além dos meios empresariais e tecnocratas associados e de pessoas comuns ou quase isso também solidárias ao meio.

No ramo da religião, capricham nos questionamentos aprofundados em relação às chamadas igrejas evangélicas, de seitas conhecidas como "neopentecostais", como a Igreja Universal do Reino de Deus, a Assembleia de Deus e Igreja Internacional da Graça de Deus. Figuras como Edir Macedo, Silas Malafaia, Marco Feliciano e outros são alvos de investigação ou questionamentos. Em certos momentos, católicos também são alvo de questionamentos e investigações.

Mas quando o caso são os "espíritas&qu…